Líderes africanos procuram soluções para a dívida em Paris | NOTÍCIAS | DW | 18.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Líderes africanos procuram soluções para a dívida em Paris

O Presidente da França reúne-se hoje em Paris com líderes africanos para debater o relançamento do crescimento. A aposta é no envolvimento dos parceiros e na criação de um pacote de "apoio massivo" às economias.

De acordo com a Presidência francesa, "a cimeira pretende aprofundar duas linhas de ajuda: a criação de um pacote massivo de apoio para o continente africano, para superar o choque da pandemia e, por outro lado, lançar as base para um novo ciclo de crescimento que beneficiará os povos africanos, mas que pode ser também um motor de crescimento para toda a economia mundial".

A Cimeira sobre o Financiamento das Economias Africanas, promovida por Emmanuel Macron, acontece um dia depois de a França ter anunciado o perdão da dívida de mais de 4 mil milhões de euros ao Sudão.

E também surge na sequência da divulgação de um pedido de apoio dos líderes africanos, em 15 de abril de 2020, no Financial Times e no Jeune Afrique, afetados não só pelo impacto da pandemia na saúde, mas também na economia, que viu as debilidades já existentes agravadas pelas medidas de restrição necessárias para impedir a propagação do vírus.

Receio do risco de divergência entre ricos e pobres

Na iniciativa participam dezenas de presidentes de nações africanas, como os de Angola e Moçambique, líderes do Fundo Monetário Internacional (FMI), do Banco Africano de Desenvolvimento, Organização Mundial do Comércio, Banco Mundial, Organização das Nações Unidas, União Europeia e União Africana.

Apesar de o continente ter registado um número relativamente baixo de óbitos, cerca de 130 mil, o equivalente às mortes no Reino Unido, por exemplo, os responsáveis do Eliseu, salientam principalmente o efeito na economia e, consequentemente, na vida das pessoas, cujo rendimento 'per capita' só deverá voltar aos níveis anteriores à pandemia em 2023 ou 2024.

Frankreich Emmanuel Macron und Abdalla Hamdok

Emmanuel Macron, Presidente da França, e Abdalla Hamdok, primeiro ministro do Sudão

"Temos muito receio do risco de divergência entre as economias africanas, e entre estas e as economias desenvolvidas", afirmou um dos responsáveis, na linha da diretora executiva do FMI, quando disse recear que uma das consequências da pandemia, além do "grande confinamento", fosse "uma grande divergência" entre África e o resto do mundo em termos de relançamento do crescimento económico.

 Necessidades maiores que as ajudas

O continente já recebeu avultadas verbas para combater a pandemia e relançar o crescimento, mas as necessidades de financiamento são significativamente maiores do que as ajudas recebidas.

"O FMI estima que os países africanos tenham necessidades de financiamento equivalentes a 370 mil milhões de euros até 2025, daí a ideia de aumentar de forma massiva a ajuda de emergência a África", que sofreu o mesmo que os outros países, mas não tem os instrumentos financeiros que os países mais desenvolvidos colocaram à disposição das suas economias.

O Banco Central Europeu, por exemplo, disponibilizou 750 mil milhões de euros em estímulos à economia da região, enquanto os Estados Unidos da América aprovaram um pacote de ajuda no valor de 1,65 biliões de euros, o maior de sempre, o que contrasta com a fraca capacidade financeira dos países africanos.

O FMI vai emitir 550 mil milhões de euros em Direitos Especiais de Saque (DES), que serão depois distribuídos pelos membros em função das quotas, o que dará 28 mil milhões de euros para África, dos quais 19 mil milhões de euros estão reservados para a África subsaariana.

Assistir ao vídeo 01:24

Ativista luta pelo retorno de arte roubada de África

Leia mais