1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Mosambik, Manica | Business-Kits gegen Frühverheiratung
Foto: Jequete, Bernardo/DW

"Kits de negócio" contra casamentos prematuros em Moçambique

Bernardo Jequete (Manica)
4 de dezembro de 2022

Projeto da organização Save the Children na província de Manica já resgatou 153 meninas entre os 15 e os 17 anos de uniões prematuras. Raparigas recebem ferramentas para se sustentarem financeiramente.

https://p.dw.com/p/4KSIw

Pelo menos 17 de 153 meninas raparigas resgatadas de casamentos prematuros na província de Manica, em Moçambique, receberam "kits de negócio" para poderem dar os seus primeiros passos profissionais e reduzirem a sua dependência de terceiros. O projeto da organização Save the Children envolve autoridades locais e organizações da sociedade civil no resgate de raparigas em uniões prematuras.

Hirondina da Conceição, uma das beneficiárias, casou aos 14 anos e tem um filho de um ano e oito meses. "Eu estava a frequentar a 8ª classe. Fiquei grávida, era tempo de coronavírus, e a minha mãe ficou muito zangada. Esse moço [pai] também era estudante", conta.

Com a ajuda da Save the Children, Hirondina conseguiu voltar à escola e trabalha agora num projeto de criação e venda de frangos. "O negócio está a ajudar, dá-me lucro para comprar fralda para a criança, iogurte, caril. Está a crescer a atividade: comecei com 220 frangos. Agora tenho 290", afirma.

Mosambik, Manica | Business-Kits gegen Frühverheiratung
Hirondina conseguiu voltar à escola e trabalha agora num projeto de criação e venda de frangos.Foto: Jequete, Bernardo/DW

O objectivo principal do projeto, segundo a diretora de programas da Save the Children em Manica, Ana Dulce Guisado, é que as crianças retomem a escola mas, ao mesmo tempo, tenham também uma fonte de rendimento.

"Com o processo de resgate, constatámos que várias dessas raparigas não conseguem suster-se economicamente. Por isso, começámos um programa de apoio em atividades económicas para que essas raparigas - que muitas vezes já têm filhos - possam sustentar as suas famílias e ter habilidade de continuar com os estudos", explica.

Histórias de sucesso

Biute Felisberto, aluna da 9ª classe em Nhamagua, não estava preparada para assumir um lar com uma união prematura aos 14 anos. Hoje, com uma bebé de cinco meses, estuda e também trabalha num projeto de criação de frangos, com o apoio da Save the Children. "Começámos com 440 frangos. Com o lucro comprei roupa para a bebé e cadernos e uniforme para eu ir à escola. Gostaria de ser uma enfermeira", conta.

Às outras meninas, deixa um conselho: "Não casem cedo. Se casarem cedo, vão ser prejudicadas e deixar de estudar para assegurar o casamento".

Mosambik, Manica | Business-Kits gegen Frühverheiratung
Pelo menos 17 de 153 meninas raparigas resgatadas de casamentos prematuros na província de Manica.Foto: Jequete, Bernardo/DW

Melita Deniasse de 15 anos, também foi resgatada de um casamento prematuro. Vai começar a vender capulanas e artigos de roupa usada e retomou a escola recentemente. Está na 6ª classe.

"Fui tirada do lar para dar continuidade aos estudos, até chegar essa oportunidade de ter o apoio em financiamento de kit de negócio. Tive um kit de capulanas, chinelos e produtos de primeira necessidade. Eles disseram-me para não ser casada enquanto criança. O negócio está a evoluir e já estou a desenvolver. Os estudos também estão a correr bem. O meu sonho é  ser professora e ensinar as raparigas a não casar cedo", afirma.

Para Tendai Madriza, líder comunitário de Malimanau, em Nhamagua, distrito de Macossa, os casos de casamentos prematuros estão a diminuir graças a iniciativas como a da Save The Children. "Havia muitos casos aqui no distrito, mas a situação está a normalizar", garante.

Moçambique na luta contra os casamentos prematuros

Saltar a secção Mais sobre este tema
Saltar a secção Conteúdo relacionado