Kenyatta foi declarado Presidente sem contagem de 10 mil colégios eleitorais | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 21.09.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Kenyatta foi declarado Presidente sem contagem de 10 mil colégios eleitorais

Supremo Tribunal do Quénia revela detalhes da anulação das eleições de 8 de agosto. Comissão Eleitoral deixou de apurar votos em pelo menos 10 mil colégios eleitorais e não verificou alegações feitas pela oposição.

Kenia Oberstes Gericht Annullierung der Präsidentschaftswahl (Getty Images/AFP/S. Maina)

Supremo Tribunal do Quénia

A resolução judicial que invalida as eleições de 8 de agosto no Quénia, divulgada integralmente nesta quarta-feira (20.09), rejeita as explicações da Comissão Eleitoral, que se justificou dizendo que cerca de 11 mil centros de votação careciam de cobertura móvel para transmitir os resultados a tempo, e conclui que não pode dar por válidos os resultados oficiais, como já havia antecipado

Os magistrados do Supremo Tribunal, liderados pelo juiz David Maraga, leram o veredicto explicando porque decidiram anular o pleito que dava vitória ao Presidente cessante do Quénia, Uhuru Kenyatta. Um dos juízes, Isaac Lenaola, observou que a Comissão Eleitoral desrespeitou a Lei e a Constituição do Quénia e reafirmou a decisão do Supremo Tribunal.

Kenia nach der Annulierung der Präsidentenwahl | Uhuru Kenyatta

Uhuru Kenyatta

"Rejeitamos os pedidos dirigidos ao Supremo Tribunal para reconsiderar o princípio jurídico estabelecido e discutido no julgamento. As eleições são um verdadeiro reflexo do povo do Quénia. Devem atender aos padrões da Constituição, quantitativa e qualitativamente", disse Maraga.

Entre os motivos apontados pelos juízes constam irregularidades durante a apuração, registo e transmissão dos resultados eleitorais de 8 de agosto.Os juízes do Supremo detalharam as razões pelas quais decidiram, a 1 de setembro, invalidar a reeleição do Presidente Uhuru Kenyatta, e ordenar a realização de uma nova eleição.

A vice-presidente do Supremo Tribunal, Philomena Mwilu, referiu "revelações perturbadoras e até surpreendentes" sobre a forma como a comissão eleitoral organizou as eleições.

Comissão ignorou pedidos feitos pela oposição

O tribunal também criticou a comissão por ignorar o pedido para aceder aos servidores para verificar alegações de pirataria – o que poderia ter afetado os resultados eleitorais –, feitas pela oposição.

Kenia nach der Annulierung der Präsidentenwahl | Raila Odinga

Raila Odinga

A conclusão do tribunal foi que "o sistema informático foi infiltrado e comprometido e as informações que existiam foram modificadas, ou que os próprios responsáveis da comissão modificaram estas informações, ou que a comissão danificou o sistema de transmissão [dos resultados] e não conseguiu verificar as informações".

Do lado e fora do Supremo Tribunal queniano, nas ruas de Nairobi, centenas de apoiantes da oposição, liderada por Raila Odinga, reuniram-se na quarta-feira (20.09) para comemorar a decisão judicial. A multidão, que celebrava a decisão dos juízes, não parava de crescer, apesar da proibição de acesso às áreas mais próximas do Tribunal. Eles esperam mudança no país, como disse à DW  um dos manifestantes.

"Viemos até aqui para testemunhar a decisão do Supremo Tribunal de anular as últimas presidenciais. Foi uma boa decisão. Na verdade, era o que os quenianos esperavam. Os adeptos da Super Aliança Nacional querem testemunhar esta revolução".

Ouvir o áudio 03:41
Ao vivo agora
03:41 min

Kenyatta foi declarado Presidente sem contagem de 10 mil colégios eleitorais

"Não temos medo de novas eleições"

O líder da oposição queniana, Raila Odinga, que almeja a presidência, viu com bons olhos a decisão do Supremo Tribunal. Entretanto, disse que não participa no novo pleito, marcado para outubro, com a mesma Comissão Eleitoral.

"Não temos medo de novas eleições. Na verdade, a campanha terminou e estamos prontos para a votação. Mas já dissemos que não participaremos de um novo pleito enquanto a  Comissão Eleitoral não corrigir todos os erros cometidos e agora confirmados pelo Supremo Tribunal. Isso significa que participaremos nas eleições mas depois dos  criminosos serem responsabilizados".

A Comissão Eleitoral marcou uma nova eleição para 26 de outubro, mas a data poderá ser alterada devido à incapacidade de organização da votação em tão pouco tempo.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados