Inhambane: Medo leva à compra de cartões de vacinação falsos | Moçambique | DW | 17.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Inhambane: Medo leva à compra de cartões de vacinação falsos

Em Inhambane, cidadãos compram cartões falsos de vacinação contra a Covid-19 sem nunca terem sido imunizados. Receios causados por desinformação nas redes sociais estão na origem do crime.

Com as exigências de apresentação do cartão de vacinação como condição para acessarem às instituições públicas, muitas pessoas estão a comprar cartões a enfermeiros sem que tenham sido vacinadas.

Zefadio José, residente e funcionário público na cidade de Maxixe, disse à DW: "Realmente aparecem pessoas a comprarem cartões de vacinação porque não confiam muito na vacinação ou existem locais que, para entrar, é preciso trazer o cartão como comprovativo que teve a pica contra Covid-19”.

Medo e desinformação

Nas redes sociais circulam várias mensagens sobre os efeitos da vacina contra o coronavírus, muitas das quais não passam de mentiras.

Januário Francisco, funcionário público em Morrumbene, disse que muitas pessoas não vão aos postos de vacinação por temerem que os imunizantes provoquem efeitos colaterais, geralmente divulgados nas redes sociais.

"É normal ouvir alguém dizer que não vai vacinar porque [ouviu ou leu uma] informação a dizer que, depois de um determinado período, vai morrer. São informações proliferadas ao nível nacional”, conta.

Mosambik | Coronavirus | Impfungen in Inhambane

Vacinação contra a Covid-19 em Inhambane, sul de Moçambique

Ibramugy Abdul, residente em Homoíne, mostra-se indignado com o fácil acesso que as pessoas têm a cartões à venda.

"Estão a enganar as pessoas só para roubar dinheiro e é crime grave e grande”, denuncia.

Esquemas

A polícia deteve recentemente uma profissional de saúde suspeita de vender cartões de vacinação por mil meticais [o equivalente a 12 euros].

A profissional do Hospital Provincial confessou o crime: "Meti na minha pasta estes dois cartões aqui, depois mandei a minha sobrinha com um cartão e depois ele [o cliente] foi tirar mil meticais”.

As notícias sobre a comercialização de cartões de vacinação tornaram-se tão recorrentes, que o próprio Presidente da República, Filipe Nyusi, se manifestou sobre o assunto em agosto. Para o chefe de Estado moçambicano, a prática acaba por prejudicar quem está a comprar os cartões. "Mas agora estão a comprar cartão de vacinação para dizer que já vacinou enquanto não vacinou, mas isso é enganar-se e totalmente e comprar a morte”, disse Nyusi.

Assistir ao vídeo 03:41

Como está a decorrer a vacinação contra o coronavírus em Moçambique

Leia mais