Guterres declara apreço a Guiné-Bissau com encerramento da missão Uniogbis | Guiné-Bissau | DW | 01.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Guterres declara apreço a Guiné-Bissau com encerramento da missão Uniogbis

Secretário-geral da ONU, António Guterres, declarou apreço ao Governo e povo da Guiné-Bissau pela parceria mantida ao longo de 21 anos com a missão política Uniogbis, que encerrou-se ontem (31.12).

"O secretário-geral [da Organização das Nações Unidas - ONU] regista o encerramento do Gabinete Integrado de Consolidação da Paz das Nações Unidas na Guiné-Bissau (Uniogbis), que completou o seu mandato, de acordo com a resolução 2.512 do Conselho de Segurança, de 28 de fevereiro de 2020", lê-se num comunicado divulgado nesta quinta-feira (31.12) pelo porta-voz adjunto, Farhan Haq.

Guterres estende o seu "apreço ao Governo e ao povo da Guiné-Bissau pela forte parceria com a Uniogbis e o sistema mais amplo das Nações Unidas", continua a declaração, que acrescenta uma "profunda gratidão à liderança e ao pessoal da Uniogbis, do passado e do presente".

Segundo António Guterres, todo o conjunto da ONU na Guiné-Bissau mostrou "esforços incansáveis e dedicação na implementação do mandato da missão, apesar do ambiente político desafiador".

Guinea Bissau | UN Guinea Bissau Vertreterin - Rosine Sori-Coulibaly

Representante das Nações Unidas na Guiné-Bissau, Rosine Sori-Coulibaly.

Elogios

O mesmo comunicado alarga os "elogios a todos os parceiros regionais e internacionais pelo compromisso inabalável e contribuição para a paz e estabilidade na Guiné-Bissau, bem como pela sólida parceria com a Uniogbis".

Segundo o texto enviado por Farhan Haq, "o secretário-geral reafirma o compromisso contínuo das Nações Unidas em acompanhar o povo e o Governo da Guiné-Bissau nos seus esforços para implementar plenamente as reformas urgentes delineadas no Roteiro da CEDEAO e no Acordo de Conacri, bem como para alcançar a paz e o desenvolvimento sustentáveis no país".

A presença de mais de 20 anos da Uniogbis na Guiné-Bissau incluiu a realização de eleições e o estabelecimento da paz, enquanto os recursos das Nações Unidas eram mobilizados e integrados no país.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas decidiu em 2019 iniciar o encerramento da missão, em 31 de dezembro, para dar maior ênfase ao desenvolvimento económico e social, que será assegurado pelas agências da organização, que vão permanecer no terreno.

Guinea-Bissau - Bissau - UUnited Nations Office for the Consolidation of Peace

Escritório das Nações Unidas para a Consolidação da Paz em Bissau.

Criação

Criada na sequência do conflito político-militar, que durou entre 1998-1999 e provocou milhares de mortos, a missão política das Nações Unidas começou por ser denominada de Gabinete de Apoio à Construção da Paz da ONU na Guiné-Bissau (Unogbis) e instalou-se no país em junho de 1999.

Depois de 21 anos, a cerimónia de encerramento da missão realizou-se a 11 de dezembro.

Na cerimónia realizada em Bissau, a secretária-geral adjunta da ONU para as Operações de Paz, Bintou Keita, disse que "a Guiné-Bissau fez progressos notáveis na reforma e fortalecimento das suas instituições estatais e na manutenção de uma estabilidade relativa".

"No entanto, ainda há um longo caminho a percorrer", sublinhou a responsável, referindo-se à agenda de reformas para o país estipuladas no roteiro da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e no Acordo de Conacri.

Das reformas, Bintou Keita destacou o processo de revisão constitucional, que considerou como "crucial".

O processo de desenvolvimento do país vai continuar a ser acompanhado através do representante especial das Nações Unidas para a África Ocidental e pelo coordenador residente das agências da ONU no país.

Assistir ao vídeo 01:28

Amílcar Cabral: o "pai da independência" da Guiné-Bissau e Cabo Verde