Guiné-Bissau: Oposição sai à rua para protestar contra o processo eleitoral | Guiné-Bissau | DW | 25.10.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Guiné-Bissau: Oposição sai à rua para protestar contra o processo eleitoral

Para quatro partidos da oposição, o primeiro-ministro Aristides Gomes não tem condições para organizar as presidenciais a 24 de novembro. E isso é uma das coisas que pretendem afirmar na marcha de sábado (26.10).

De acordo com o porta-voz do grupo dos manifestantes, Joaquim Batista Correia, a marcha deste sábado (26.10) servirá "para exigir o regresso à legalidade. Porque somos de opinião que este processo [eleitoral] foi organizado de forma torta. E, quando é assim, o resultado será também torto. Estamos fartos dessas ilegalidades e irregularidades."

A oposição acusa o Governo de envolvimento no tráfico de droga para financiar a votação de novembro: "Não é admissível que um Governo com muitas situações de envolvência no processo de tráfico de droga organize eleições", afirma Batista Correia. O Executivo rejeita as acusações dos opositores.

Mas este deverá ser um dos temas da marcha, que começa às 10 horas de sábado (hora local) na sede do Partido da Renovação Social (PRS), a terceira força política mais votada, passando pela sede da Comissão Nacional de Eleições (CNE) e terminando em frente ao Palácio da República.

A marcha colocará na avenida principal da capital guineense, militantes e simpatizantes do maior partido da oposição, o Movimento para a Alternância Democrática (MADEM-G15), do PRS, e da Assembleia Povo Unido - Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB), um partido que faz parte do Governo, mas cujo líder contesta as ações do Executivo.

Ouvir o áudio 03:55

Guiné-Bissau: Oposição protesta contra o processo eleitoral

Retirada das forças da CEDEAO?

O grupo de partidos da oposição vai exigir também a retirada das forças militares da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), estacionadas na Guiné-Bissau, e que, por estes dias, patrulham as ruas e protegem as principais instituições do país. Além disso, os opositores vão pedir uma auditoria externa ao banco de dados dos eleitores.

A oposição suspeita que o Governo tenha introduzido no banco de dados mais 25 mil eleitores, que teriam ficado de fora das listas nas eleições legislativas de março.

Batista Correia, deputado do PRS, acusa o Governo de preparar uma fraude eleitoral para favorecer o candidato do PAIGC nas presidenciais: "Depois de ter feito a correção dos dados eleitorais, aconselhámos o Governo a não introduzir essa correção no sistema, mas introduziu. E sincronizou também esses dados. Portanto, estamos perante a iminência de um controlo remoto do processo eleitoral", entende Correia.

Angola Sicherheit l Polizei l Soldaten

Forças da CEDEAO em Bissau

CNE alvo de desconfiança

A CNE disse que, para evitar desconfianças, vai usar apenas os cadernos eleitorais das eleições legislativas de março, deixando de fora os cerca de 25 mil eleitores. Mesmo assim, não convence a oposição, que não reconhece sequer o sorteio dos candidatos para os boletins de voto.

"A própria CNE também já não merece a confiança da nossa parte", afirma Batista Correia em entrevista à DW África. Revoltado, o deputado do PRS questiona: "Como é possível não participamos no sorteio dos lugares? A CNE escolheu arbitrariamente as pessoas para nos representar. Por isso, não reconhecemos nada. Nem vamos enviar os nomes e fotos para os boletins de voto."

O político pede à CNE para ser o mais imparcial possível e deixar de tomar partido no processo eleitoral.

Guinea Bissau Aristides Gomes

Aristides Gomes, primeiro-ministro da Guiné-Bissau

Governo distancia-se das acusações

O primeiro-ministro guineense minimizou a situação, tendo avançado que esses partidos deveriam protestar nas reuniões da plenária da CNE. Aristides Gomes diz que o Governo não tem nada a ver com as reclamações da oposição.

"Eles sabem que a CNE é quem decide quem vota e quem não vota. Não é uma decisão do Governo. O Executivo faz o recenseamento e corrige aquilo que estiver errado. Depois, damos esses elementos à CNE", diz Aristides Gomes.

Para o primeiro-ministro, não basta só fazer reclamações nas rádios. É preciso também reclamar junto das instituições competentes, nomeadamente a CNE. 

Gomes nega que o Governo tenha introduzido mais 25 mil eleitores no banco de dados, e sublinha que o Governo entregou apenas 5 mil cartões de eleitor à plenária da CNE, para decidir se serão introduzidos no sistema, ou não.

Só os representantes dos partidos na plenária da CNE é que teriam competência para tomar uma decisão final, acrescenta o primeiro-ministro.

Leia mais