Guiné-Bissau: Governo anuncia reabilitação do principal hospital do país | Guiné-Bissau | DW | 10.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Guiné-Bissau: Governo anuncia reabilitação do principal hospital do país

O primeiro-ministro Nuno Gomes Nabiam anunciou, esta terça-feira (10.08), que o governo vai investir cerca de 730 mil euros em obras de reabilitação no Hospital Nacional Simão Mendes.

O Governo da Guiné-Bissau lançou, esta terça-feira (10.08), obras para a reabilitação do Hospital Nacional Simão Mendes, em Bissau, principal unidade de saúde do país, no valor de cerca de 730 mil euros.

"O Governo decidiu que esta é a maior infraestrutura de saúde do país e decidimos transformar este hospital numa unidade de referência nacional", afirmou o primeiro-ministro guineense, Nuno Gomes Nabiam.

O primeiro-ministro pediu a "fiscalização do processo" para que as "obras sejam feitas com qualidade".

"Esta é a primeira fase. Na segunda fase vamos adquirir equipamentos para que de facto seja um hospital de referência nacional", salientou Nuno Gomes Nabiam, que garantiu que o Governo "tem vontade" de trabalhar e que está "aberto a críticas".

"Achamos que são pedagógicas. Mas também pedimos que sejam justos a fazer críticos", afirmou.

"Este hospital tem de ter equipamento de ponta. A obra está lançada, os trabalhos vão arrancar, devem acabar dentro de quatro meses e depois vamos avançar com os especialistas para a aquisição de equipamentos", disse Nabiam, salientando o trabalho do ministro das Finanças no sentido de arranjar fundos para arrancar com as obras que vão beneficiar todos os cidadãos.

A primeira fase das obras vai incluir a reabilitação da maternidade, da urgência de medicina e de ortopedia, do laboratório de análises, da morgue, cuidados intensivos, bloco operatório central e dos pavilhões dos serviços técnicos.

Assistir ao vídeo 05:22

Qual é o impacto das greves na Guiné-Bissau?

 

Leia mais