Guiné-Bissau: CEDEAO espera formação do Governo nas próximas horas | Guiné-Bissau | DW | 25.04.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Guiné-Bissau: CEDEAO espera formação do Governo nas próximas horas

Após reunião com a CEDEAO e o PAIGC, PRS anuncia que remeteu ao primeiro-ministro nomes dos seus membros que deverão formar o novo Executivo.

Palácio da República, em Bissau

Palácio da República, em Bissau

Na Guiné-Bissau, o secretário-geral do Partido de Renovação Social (PRS), Florentino Pereira, anunciou na tarde desta quarta-feira (25.04) a assinatura do pacto de estabilidade, último obstáculo, por parte do PRS, para a formação do novo Governo.

Pereira avançou a informação após uma reunião com o Partido Africano para a Independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde (PAIGC) e a missão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), segundo o correspondente da DW África em Bissau, Braima Darame.

Apesar da assinatura do pacto avançada pelo PRS, ainda não há detalhes sobre a tomada de posse do novo Governo. Falando à imprensa, Florentino Pereira assegurou que isto dependerá da Presidência da República e que agora o PRS vai remeter ao primeiro-ministro os nomes dos seus membros que deverão formar o Executivo.

Entretanto, o secretário-geral do PRS disse na terça-feira que o partido vai ficar com nove das prováveis 26 pastas do novo Governo. Florentino Pereira informou também que os cidadãos guineenses sancionados pela CEDEAO não deverão integrar o próximo Executivo, conforme avançou a agência de notícias Lusa e o jornal guineense O Democrata.

A reunião entre os partidos decorreu depois que a delegação da CEDEAO encontrou-se com o Presidente José Mário Vaz esta manhã. Neste encontro, o principal ponto de desentendimento entre as forças políticas para a formação do novo Governo – a atribuição dos Ministérios do Interior e da Defesa Nacional – parece ter sido ultrapassado, de acordo com fonte da CEDEAO.

Premierminister und Präsident von Guinea-Bissau, Aristides Gomes und José Mário Vaz

Aristides Gomes (esq.), pirmeiro-ministro, e o Presidente José Mário Vaz

Impasse

A delegação da CEDAO chegou esta terça-feira a Bissau com a intenção de ajudar a resolver o impasse político no país. Após encontros com o Presidente José Mário Vaz, o PRS e o PAIGC, que terminaram já à noite, o desentendimento entre as figuras políticas continuaram.

Devido ao impasse, a missão da CEDEAO decidiu deixar Bissau na manhã desta quarta-feira, mas foi chamada pelo chefe de Estado para a reunião de última hora no palácio presidencial. Antes disto, a delegação também se encontrou com o bispo de Bissau, Dom José Camnaté Na Bissign, que esteve envolvido nas tentativas de aproximação das forças políticas guineenses.

O Presidente da Guiné-Bissau nomeou Aristides Gomes, primeiro-ministro depois de uma cimeira extraordinária de chefes de Estados e de Governo da CEDEAO no Togo, para analisar a crise guineense, que dura há cerca de três anos. Desde as eleições legislativas de 2014, a Guiné-Bissau já vai no sétimo primeiro-ministro, que terá como principal objetivo organizar as legislativas.

Leia mais