Governo de Luanda autoriza protesto pela libertação de ativistas | Angola | DW | 05.08.2015

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Governo de Luanda autoriza protesto pela libertação de ativistas

No sábado, a capital angolana poderá testemunhar o que pode ser considerado o primeiro protesto antigovernamental autorizado pelo regime. Familiares dos 15 ativistas detidos saem à rua para exigir a sua libertação.

Manifestação em Luanda pela libertação dos ativistas políticos

Manifestação em Luanda pela libertação dos ativistas políticos

A manifestação do próximo sábado (08.08) está a ser organizada pelas mães e familiares dos ativistas detidos desde junho, sob a acusação de estarem a preparar um golpe de Estado contra o Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, e terá início às 13 horas, no Largo da Independência, no centro de Luanda.

A marcha passará depois pela rua do Primeiro Congresso e terminará no Palácio da Justiça com a entrega de uma petição ao Procurador-Geral da República, João Maria de Sousa, exigindo a libertação imediata dos detidos.

Demonstration Luanda

Protesto nas proximidades do Largo da Independência, em Luanda (29.07)

"O tempo está a passar e não ouvimos nada. Todas as mulheres angolanas devem sair à rua no sábado para pedirmos a libertação dos nossos filhos", apela Leonor João, a mãe de Mbanza Hamza, um dos ativistas detidos. "Afinal de contas, somos angolanos para quê? Para sofrer?", pergunta.

Caso tivesse a oportunidade de estar frente a frente com José Eduardo dos Santos, Leonor João diria ao Presidente angolano para libertar os jovens porque estes "não têm armas, só lapiseiras, cadernos e livros". O chefe de Estado "tem de ser um modelo para aconselhar a juventude de amanhã", defende.

"Só queremos pedir a libertação dos nossos filhos, não queremos mais nada", disse também à DW África a mãe do ativista Nito Alves, Adália Chivonde.

Detenções são "camuflagem"

Quem também estará presente na manifestação de sábado é a mulher do jornalista e ativista cívico Domingos da Cruz, o autor do livro "Ferramentas para Destruir o Ditador". O livro é encarado pelas autoridades como sendo o manual de instrução que levaria os jovens ativistas a derrubarem o Governo angolano.

Esperança Gonga refuta as acusações das autoridades, a quem acusa de prestar um mau serviço ao país. Diz ainda que a manifestação servirá para uma vez mais "entoar o grito de liberdade" pelos presos políticos. "Estas detenções foram uma suposta camuflagem porque sabem que estes jovens não queriam preparar nenhum golpe de Estado. Por isso, só temos uma coisa a dizer: libertem-nos já".

Entretanto, o regime de Luanda continua a intimar os ativistas. Na terça-feira (04.08), a ativista Laurinda Gouveia foi notificada pelos Serviços de Investigação Criminal a comparecer nas instalações daquele organismo nesta quinta-feira (06.08), para ser ouvida no processo contra os jovens ativistas detidos. "Não tenho nenhum receio. E não acho que seja um crime fazer parte dessas reuniões, até porque o país é um Estado democrático de Direito", sublinha.

Leia mais