Gâmbia: Adama Barrow garante ter ″cumprido promessas″ | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 01.02.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Gâmbia: Adama Barrow garante ter "cumprido promessas"

Adama Barrow regressou à Gâmbia há cerca de um ano para assumir a Presidência. Lembrando que "herdou uma nação falida", Barrow rejeita críticas de que pouco foi feito no seu mandato.

Adama Barrow regressou à Gâmbia a 26 de janeiro de 2017 para comandar o país depois de ter saído vencedor nas eleições de dezembro de 2016, um resultado que o seu antecessor Yahya Jammeh se recusou a aceitar. A eleição trouxe esperança ao povo depois de 22 anos de um regime opressivo.

Aos seus apoiantes, Adama Barrow prometeu libertar o país da ditadura, devolvendo-lhe a liberdade de expressão. A revitalização da economia e o nascimento de uma nova era de democracia e respeito pelo Estado de direito foram outras das suas promessas. Mas, um ano depois, Adama Barrow é criticado por muito pouco ter sido feito na Gâmbia.

Afrika Bundespräsident Steinmeier in Gambia (picture alliance/dpa/B. v. Jutrczenka)

Presidente alemão Frank-Walter Steinmeier e Adama Barrow na Gâmbia (dezembro de 2017)

O drama do desemprego

Em entrevista ao correspondente à DW, o presidente da Gâmbia lembra que "herdou uma nação falida" e rejeita as acusações de que nada foi feito. "Acho que cumprimos a nossa promessa", afirma.

Assume, no entanto, que o desemprego dos jovens continua a ser um dos grandes problemas no seu país e que o número elevado de jovens que parte da Gâmbia rumo à Europa, nomeadamente para a Alemanha, se deve a esta realidade. 

Assistir ao vídeo 01:55
Ao vivo agora
01:55 min

Exclusivo: Presidente gambiano responde a críticas

No entanto, Adama Barrow desmente a assinatura de qualquer acordo com a Alemanha: "Penso que há rumores de que assinámos um acordo com os alemães para o regresso de migrantes gambianos da Alemanha. Mas não é a verdade", afirma.

Barrow explica que existiu, sim, "uma discussão muito honesta" com o Presidente alemão Frank-Walter Steinmeier quando este esteve na Gâmbia em dezembro de 2017, mas na qual o Governo gambiano foi claro: "A nossa mensagem foi que este não é um problema da Gâmbia. É um problema que precisa de ser analisado num contexto mais amplo. A Alemanha e outros países devem fazer parte disso. É um 'assunto' de todos", disse.

Apoios internacionais

Em entrevista à DW, Adama Barrow afirmou ainda não duvidar de que conta com "o apoio da comunidade internacional". Questionado, especificamente, sobre o apoio da União Europeia à Gâmbia, o Presidente deu conta que "os europeus são os maiores parceiros e doadores" do país.

Ouvir o áudio 02:14
Ao vivo agora
02:14 min

Gâmbia: Adama Barrow garante ter "cumprido promessas"

"Estamos de acordo com a União Europeia e penso que eles têm uma grande consideração pela Gâmbia”, afirmou.

Em jeito de balanço, Adama Barrow destacou o "trabalho árduo" que tem estado a ser feito no país para "estabilizar a economia".  Segundo o Presidente da Gâmbia, no último ano, as taxas de juro e os títulos do tesouro diminuíram e as receitas portuárias aumentaram 25%.

O presidente afirmou ainda que deve arrancar, em fevereiro, a criação de uma Comissão de Verdade e Reconciliação para avaliar a má governação nos anos em que Yahya Jammeh liderou o país.

Adama Barrow regressou à Gâmbia a 26 de janeiro de 2017, uma semana depois de ter tomado posse na embaixada do seu país em Dakar. O atual Presidente da Gâmbia refugiou-se no Senegal, depois de o seu antecessor, Yahya Jammeh, ter recusado aceitar a sua vitória nas presidenciais de dezembro de 2016. Jammeh partiu para o exílio na Guiné Equatorial a 21 de janeiro de 2017.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados