França e oito países africanos acabam com o franco CFA | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 23.12.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

França e oito países africanos acabam com o franco CFA

Acordo da UEMOA substitui a moeda do tempo colonial que circulava na África Ocidental por uma nova moeda, o "eco". Medida atinge oito países e mantém o vínculo do antigo CFA com o euro.

Die Währung Franc CFA

O Franco CFA

Países da África Ocidental anunciaram em Abidjan, no sábado (21.12), a extinção do franco CFA [Communauté Financière Africaine]. A moeda apoiada pela França foi criada em 1945, no período colonial. Os países francófonos da região e a Guiné-Bissau farão circular a partir de 2020 uma nova moeda única, o "eco" – que deverá ser adotado pela Comunidade dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

Conhecido como "o franco das colónias francesas de África" - dos oito países signatários apenas a Guiné-Bissau não cabe nesta definição, por ter sido colonizada por Portugal - o franco CFA era criticado como uma relíquia da era colonial.

O anúncio da extinção da moeda foi feito pelo presidente da Costa do Marfim, Alassane Outtara, ao lado do presidente da França, Emmanuel Macron, que estava em visita ao país africano.

Elfenbeinküste Abidjan | Alassane Ouattara, Präsident & Emmanuel Macron, Präsident Frankreich

Macron e Ouattara fizeram o anúncio juntos em conferência de imprensa

"Decidimos uma reforma do franco CFA com três alterações principais, entre as quais a mudança de nome", "o fim da centralização de 50% das reservas no Tesouro francês" e "a retirada de França das instâncias de governação em que está presente", explicou Ouattara

O presidente marfinense anunciou a mudança em nome dos integrantes da União Económica e Monetária dos países da África Ocidental (UEMOA). Macron classificou a iniciativa como "histórica". "O eco terá vida em 2020, congratulo-me com isso", disse Macron, assumindo que a França quer uma relação "descomplicada" com a região.

Vínculo com o euro permanece

Vigoram em África dois CFAs diferentes. Além do que circulava na África Ocidental, há também o franco CFA dos países da África Central, adotado por Guiné Equatorial, Gabão, Camarões, Congo Brazzaville, Chade e República Centro-Africana. A sede do banco da África Central é Yaoundé, capital dos Camarões. 

Ouvir o áudio 02:50

França e oito países africanos acabam com o franco CFA

Desde 1945, as duas moedas mantêm um valor de câmbio fixo, vincluado ao franco francês. Quando a França adotou o euro, o CFA passou a ter um valor fixo em relação à moeda europeia - 655,957 francos CFA. O banco central da França continuou a influenciar o valor das duas moedas que circulavam em África. Não há planos para desvincular o eco do euro.

A nova medida fará com que a França, antiga potência colonial, retire-se dos comités da moeda comum da África Ocidental. A diretora-executiva do FMI elogiou o fato de a reforma monetária ter mantido elementos de estabilidade, tais como estar ligada ao euro. Para Kristalina Georgieva isso será uma vantagem para a região.

Um erro profundo

O Presidente francês, Emmanuel Macron, reconheceu que o colonialismo foi um erro profundo e que a moeda é uma demanda da comunidade africana. "Eu entendo o que os jovens africanos e a comunidade empresarial africana estão a dizer. Eu entendo que nossas diásporas também pedem que avancemos nesta questão.", disse Macron.

Na conferência de imprensa, ao lado de Ouattara, o chefe de Estado francês disse que "demasiadas vezes, a França é percebida como tendo "um olhar de hegemonia e de "colonialismo ridículo", que foi um erro profundo, uma "falta da República" francesa.  

Quando concorria para a presidência francesa, Macron disse que o colonialismo "faz parte do passado", mas deve ser olhado "de frente". Ele defendeu que se peça "desculpa" aos que foram alvo do regime colonial.

 

Leia mais