Filipe Nyusi destaca terrorismo como ameaça real à independência | Moçambique | DW | 25.06.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Filipe Nyusi destaca terrorismo como ameaça real à independência

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, apontou as incursões armadas de rebeldes no Norte como uma ameaça real à soberania, num dia em que o país celebra 47 anos de independência.

"As ações terroristas que, antes de tudo sacrificam vidas de moçambicanos, constituem uma ameaça real à soberania e a independência nacional. Comprometem não apenas o desempenho socioeconómico daquela região, mas também de todo o país", declarou Filipe Nyusi.

O chefe de Estado moçambicano falava durante as cerimónias centrais de celebração do 47.º  aniversário da independência na capital moçambicana (Maputo).

Para Filipe Nyusi, o combate aos grupos armados que desde 2017 tem aterrorizado o Norte de Moçambique deve continuar entre as prioridades e os esforços das Forças de Defesa e Segurança, em coordenação com o Ruanda e a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), têm estado a fechar o cerco aos rebeldes, que estão a fugir para a faixa sul da província de Cabo Delgado.

"Os terroristas procuram provocar mais terror e pavor nas populações e, através da mediatização, tentam lançar a mensagem de que estão organizados e revigorados”, afirmou Filipe Nyusi, esclarecendo que, no entanto, os rebeldes não dominam qualquer povoação, distrito ou posto administrativo.

Força Local em Cabo Delgado

"Apesar de focos de ataques, não existe atualmente nenhuma povoação nas mãos dos terroristas", Nyusi

Cabo Delgado sob direção das autoridades moçambicanas

"Apesar do registo de focos de ataques, não existe atualmente nenhuma povoação ou sede de posto administrativo nas mãos dos terroristas. A província de Cabo Delgado está sob direção das autoridades moçambicanas", frisou o chefe de Estado moçambicano.

O Presidente moçambicano lamentou ainda o envolvimento de alguns moçambicanos que vivem em outras cidades nas estratégias dos insurgentes, alertando para a existência de tentativas de recrutamento de jovens em outras províncias.

"Sabemos que os terroristas intensificam o recrutamento de jovens para ingressarem nas suas fileiras. Reiteramos o nosso apelo à vigilância popular para desarticularmos a rede de informadores e logística dos terroristas”, disse Filipe Nyusi, destacando que "a independência do país só faz sentido se a paz prevalecer em todo território moçambicano”.

Com cerimónias em pelo menos todas as capitais provinciais, Moçambique celebra hoje 47 anos após a proclamação da independência em 1975 pelo então Presidente Samora Machel, após uma luta armada de libertação contra o regime colonial português que começou em 1964.

FRELIMO celebra 60 anos de história

Leia mais