Falta de aleitamento materno em Moçambique causa mortalidade infantil | NOTÍCIAS | DW | 30.08.2011

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Falta de aleitamento materno em Moçambique causa mortalidade infantil

Em Moçambique, 13% da mortalidade infantil em menores de cinco anos poderia ser evitada com o aleitamento materno, indicou a UNICEF. Razões que levam mães a não amamentar durante os primeiros seis meses são diversas.

13% da mortalidade infantil poderia ser evitada

13% da mortalidade infantil poderia ser evitada

Em Moçambique, as autoridades da saúde estão preocupadas: os empregadores do setor privado não estão concedendo às mães o intervalo necessário para que amamentem adequadamente seus bebês.

Algumas mulheres afirmam que os empregadores, muitas vezes, ignoram a situação, fato que leva as mães a deixarem de dar o leite materno às crianças. O exemplo vem desta mulher que diz que amamentou por apenas um mês: "Os nossos patrões, quando pedimos uns minutos para darmos leite aos bebês, não aceitam".

As mães são informadas sobre o aleitamento materno nas unidades sanitárias, mas ainda assim enfrentam obstáculos durante esta fase, explica Edna Possolo, chefe da nutrição no Ministério da Saúde: "Muitas vezes, elas sofrem pressão dentro do espaço de trabalho e por medo de perder o emprego são obrigadas a trabalhar".

Segundo a especialista em saúde, a licença das mães de dois meses para o aleitamento materno em Moçambique geralmente não é cumprida.

Mosambik Land und Leute Hafenstadt Inhambane Kinder

Autoridades de saúde preocupadas com o crescimento equilibrado da criança moçambicana

E as crianças poderiam estar vivas

Dados do UNICEF indicam que em Moçambique pelo menos 13% das mortes em crianças com menos de cinco anos poderia ser evitada com práticas adequadas de aleitamento materno.

O enfermeiro Norberto explica que, durante as palestras que realizam nos centros de saúde, algumas mulheres aceitam os conselhos para amamentar, mas que na prática não cumprem.

Em Moçambique, apenas 63% das mães de recém-nascidos que iniciaram com o aleitamento cumprem com o recomendado até o final.

"Explicamos a importância de amamentar a criança pelo menos durante os seis [primeiros] meses de vida. É nesse tempo que a criança precisa desse leite porque aproveita ao máximo os nutrientes", acrescenta Norberto lembrando que o leite materno protege as crianças contra infecções.

Falta de informação

Symbolbild Vertrauen Baby Hand

Muitas vezes, a falta de aleitamento materno é desinformação da família ou do empregador

O Ministério da Saúde luta para encontrar soluções para que a mulher tenha tempo suficiente para amamentar a criança no posto de trabalho. "Nós estamos a promover a criação de cantos de amamentação. É um cantinho onde a mulher não só pode levar a sua criança, mas também onde pode fazer a extração do leite para que no dia seguinte, a pessoa que esteja a cuidar do bebê possa dar-lhe leite materno", explica Possolo.

Problemas culturais em Moçambique também contribuem para contrariar o que está recomendado: "Por exemplo, muitas vezes o colostro [uma forma de leite de baixo volume secretado nos primeiros dias de amamentação pós-parto] é considerado um leite sujo, por isso as mães deitam fora este leite em vez de dar ao bebê. Há desinformação, as sogras e os pais não favorecem o aleitamento materno porque não têm este conhecimento. Ainda há muito trabalho a fazer no sentido de aconselhamento, defende Possolo.

O aleitamento materno contribui para a realização dos seguintes Objetivos de Desenvolvimento do Milênio: combate a fome e a pobreza, igualdade de gênero, diminuição da mortalidade infantil e mortalidade materna.

Autor: Romeu da Silva (Maputo)

Edição: Bettina Riffel / António Rocha

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados