″Estado Islâmico″ reivindica controlo de Palma | NOTÍCIAS | DW | 29.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

"Estado Islâmico" reivindica controlo de Palma

Agência oficial do ISIS divulga imagens de Palma e diz grupo armado controla a sede do distrito. Não há relatos sobre situação atual da vila há vários dias.

Praca 25 de Setembro, Palma in Cabo Delgado, Mosambik

Imagens da sede do distrito de Palma que estaria sob o controlo do ISIS

O grupo terrorista "Estado Islâmico" (ISIS, na sigla em inglês) reivindicou esta segunda-feira (29.03) o controlo da vila de Palma, no extremo norte de Moçambique. A área foi atacada por insurgentes na quarta-feira (24.03) e reascendeu o alerta das autoridades moçambicanas sobre a audácia dos alegados insurgentes "jihadistas".

A agência oficial do ISIS, a Amaq, divulgou imagens da vila e reivindicou a ocupação da sede do distrito, junto à fronteira com a Tanzânia. Relatos ainda na semana passada davam conta de corpos expostosnas vias da vila sede. 

Infografik Karte Mosambik Gasfelder EN

Não existem relatos sobre a situação na vila há vários dias e a capital provincial de Cabo Delgado, Pemba, tem sido destino de muitos deslocados. A vila sede do distrito com 42 mil habitantes acolhe grandes projetos de gás do norte de Moçambique, supostamente pelo mesmo grupo que há três anos e meio aterrorizam a região.

Centenas de civis fugiram de Palma em direção à fronteira com a Tanzânia. Dezenas de civis, incluindo sete pessoas que tentavam fugir do principal hotel de Palma foram mortos pelo grupo armado. Foi montada uma ponte aérea para Maputo para evacuar moradores

A violência está a provocar uma crise humanitária com quase 700 mil deslocados e mais de 2 mil mortes. Vários países têm oferecido apoio militar no terreno a Maputo para combater estes insurgentes, cujas ações já foram reivindicadas pelo autoproclamado "Estado Islâmico", mas, até ao momento, ainda não existiu abertura para isso - embora existam relatos e testemunhos que apontam para a existência de empresas de segurança e de mercenários na zona.

Assistir ao vídeo 02:28

A violência terrorista contra crianças em Cabo Delgado