Declaração de editor da Televisão Pública de Angola gera debate sobre censura à oposição | Angola | DW | 05.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Declaração de editor da Televisão Pública de Angola gera debate sobre censura à oposição

José Alves Fernandes publicou nas redes sociais que a oposição é proibida de "apresentar os seus programas nos órgãos públicos de Angola". Emissora estatal ainda não reagiu ao comentário do seu quadro sénior.

A Entidade Reguladora da Comunicação Social Angolana (ERCA) divulgou à imprensa esta quarta-feira (05.08) que está preocupada com o que chama de "proibição" de publicações de temas ligados à oposição na Televisão Pública de Angola (TPA). 

A ERCA diz que regista "com preocupação" a denúncia pública do jornalista José Alves Fernandes, da TPA, sobre a proibição da divulgação de "propostas da oposição" na emissora estatal, segundo o Novo Jornal.

"É visível que a classe política é a mais atingida por estes ataques que em nada contribuem para o debate sereno e profundo", declarou Lourenço Bento Antóno, conselheiro da ERCA, ao jornal angolano.

A nota publicada baseia-se numa manifestação pública do quadro sénior da TPA. "Nos órgãos públicos pagos com o dinheiro de todos nós, a oposição é proibida de apresentar os seus programas", escreveu Fernandes via Facebook. 

Ardinas angolanos criticam parcialidade na imprensa

"Temos algo concreto e palpável"

De imediato, as declarações de Fernandes geraram reações no Facebook e colocaram em questão a pluralidades nos meios de comunicação.

O consultor e antigo Secretário de Estado da Comunicação Social, Celso Malavoloneke, diz que se a direcção da TPA faz de facto essa censura, "deve ser demitida porque não pode ser associada a esta prática. Ou o jornalista caluniou-a gravemente e deve enfrentar as consequências". 

Para Malavoloneke, o problema dos jornalistas da emissora pública está mais relacionado à autocensura do que censura. "Em muitos casos, [trata-se] de impreparação técnica e ética dos profissionais. Mas com essa "acusação" pública vinda de quem veio, temos agora algo concreto e palpável", comenta via Facebook. 

O jornalista Israel Campos cobrou também via Facebook uma investigação por parte da ERCA, que, por sua vez, foi manifestar-se quatro dias depois. "Se estivéssemos no Reino Unido, depois da denúncia, o OFCOM [um equivalente da nossa ERCA] estaria já amanhã por cima do órgão em questão", escreveu Campos. Até ao momento, a TPA não se manifestou oficialmente sobre as declarações de FERNANDES.

 

Revisão constitucional em Angola: Expectativa vs Realidade