Covid-19: Governo guineense fecha escolas e cancela Carnaval | Guiné-Bissau | DW | 22.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Covid-19: Governo guineense fecha escolas e cancela Carnaval

Governo guineense avança com medidas drásticas para travar a propagação do coronavírus face ao aumento do número de infeções. Festa do Carnaval foi anulada e escolas terão de fechar por um período de 30 dias.

Reunido em Conselho de Ministros Extraordinário, presidido pelo Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, o Governo guineense decidiu suspender o funcionamento das aulas na capital do país, em todos os níveis de escolaridade, por um período de 30 dias, devido ao aumento de novas infeções por coronavírus.

Segundo o comunicado do Governo liderado por Nuno Gomes Nabiam, o coletivo ministerial decidiu também anular a realização do Carnaval, em todo o país, não obstante a sua dimensão de maior festa cultural da Guiné-Bissau, lê-se no documento divulgado esta sexta-feira (22.01).

Guinea-Bissau Bissau Kabinettsitzung mit Präsident Umaro Sissoco Embaló

O Executivo vai propor que seja declarada a situação de estado de calamidade no país

A decisão foi tomada após o Conselho de Ministros ter ouvido as explicações da Alta Comissária contra a Covid-19, a antiga ministra da Saúde, Magda Robalo, sobre a situação epidemiológica do país.

"Perante a rudeza dos dados, quer no âmbito interno quer a nível dos países vizinhos", o Executivo decidiu avançar com as medidas e apelar à população a observar "com rigor" novas regras a serem anunciadas "nos próximos tempos". O Governo vai propor ao Presidente guineense a declaração do estado de calamidade.

A Guiné-Bissau tem conhecido, nas últimas semanas, um recrudescimento de casos de infeção por Covid-19. De acordo com dados do alto comissariado para o combate à doença, foi registado um total acumulado de 2.517 casos desde que foram detetadas as primeiras infeções no país, em março de 2020.

Assistir ao vídeo 02:14

Guiné-Bissau: Condutores insatisfeitos com nova normalidade

Leia mais