Covid-19: Estado de emergência prorrogado pela terceira vez em Moçambique | NOTÍCIAS | DW | 28.06.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Covid-19: Estado de emergência prorrogado pela terceira vez em Moçambique

O Presidente da República, Filipe Nyusi, decidiu prorrogar, pela terceira vez, o estado de emergência por mais 30 dias em todo o território nacional, no âmbito do combate à pandemia do novo coronavírus.

Numa comunicação à nação transmitida pela Rádio e Televisão de Moçambique, a partir do Palácio da Ponta Vermelha, em Maputo, o Presidente da República, Filipe Nyusi, anunciou este domingo (28.06) que decidiu prorrogar, pela terceira vez, o estado de emergência por mais 30 dias em todo o território nacional. A medida entra em vigor a 30 de junho e prolonga-se até 29 de julho.

"Entre relaxar, manter ou agravar, decidi prorrogar pela terceira vez o estado de emergência por mais 30 dias", declarou. 

Numa comunicação à nação, o chefe de Estado moçambicano também explicou como algumas atividades vão ser retomadas. "Decidimos, pois, manter o nível 3 [de restrições] e adequar de forma faseada algumas medidas com impacto na economia do país, permitindo que alguns setores de atividade possam funcionar", disse. 

Entre as medidas revistas, Filipe Nyusi anunciou a retoma faseada das aulas presenciais em todos os graus de ensino. Os novos calendários vão ser divulgados nos próximos dias. Voos internacionais, que estão proibidos desde maio, para alguns países selecionados vão ser permitidos num regime de reciprocidade. 

Espetáculos e festas, assim como locais de culto religioso e bares, continuam a ser proibidos, mas museus e galerias vão poder voltar a abrir, com lotação limitada.  

"Desleixo e desrespeito"

Filipe Nyusi referiu que há um progressivo "desleixo" quando à prevenção à Covid-19. "A prevenção continua a ser o nosso o único caminho, estamos certos de que é preciso corrigir o desleixo e desrespeito na implementação das medidas já traçadas e estamos certos de que é crucial encontrar um balanço justo entre economia e saúde", afirmou. 

Este domingo, Moçambique anunciou mais 20 casos de infeção pelo novo coronavírus, elevando o total acumulado para 859, com cinco óbitos e 228 recuperados. O país atingiu o total de 28.586 casos suspeitos testados desde o início da pandemia, a 11 de março, com uma taxa de positivos de 3%.

Do total de casos ativos, a maioria está no norte: a província de Nampula tem 253, seguindo-se Cabo Delgado com 148.  A sul, a cidade de Maputo tem 78 casos ativos, a província de Maputo tem 62 e as restantes províncias têm 15 ou menos infetados ativos identificados cada uma. 

Nampula e Cabo Delgado são as províncias que registam também as maiores taxas de resultados positivos face a testes realizados. Em Nampula, 11,5% dos casos suspeitos testados deram resultado positivo e em Cabo Delgado a taxa de positivos é de 6,1%, enquanto no resto das províncias a taxa é inferior a 2%.

Leia mais