Covid-19 em Moçambique: Mais de 600 detidos por desobediência | Moçambique | DW | 20.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Covid-19 em Moçambique: Mais de 600 detidos por desobediência

A polícia moçambicana deteve 646 pessoas nos últimos sete dias por incumprimento das medidas de prevenção do novo coronavírus impostas no país, anunciou esta terça-feira (20.07) fonte da corporação.

"A polícia tem constatado com bastante inquietação a deliberada, flagrante e recorrente violação das medidas de prevenção da pandemia de covid-19 na vigência da situação de calamidade pública", disse Orlando Modumane, porta-voz do comando-geral da Polícia da República de Moçambique (PRM), durante uma conferência de imprensa em Maputo.

Segundo o porta-voz, entre outras razões, a maioria das detenções ocorreu devido ao consumo de bebidas alcoólicas, realização de eventos sociais ilegalmente e circulação massiva de pessoas fora do horário determinado e sem justificação relevante.

"Se os cidadãos contribuíssem no cumprimento das medidas de prevenção da Covid-19, ninguém seria detido", referiu Orlando Modumane.

Agravamentos das restrições

Na quinta-feira passada (15.07), o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, anunciou um agravamento das restrições para prevenção da doença, devido ao avançar da terceira vaga, caracterizada por um aumento do número de casos, óbitos e internamentos.

As medidas anunciadas para vigorar durante 30 dias a partir de sábado incluem a proibição de todos os eventos sociais, mesmo os privados, redução significativa de horários do comércio, suspensão do ensino pré-escolar em todo o país e das aulas presenciais nos restantes níveis de ensino em Maputo (área metropolitana), Xai Xai, Inhambane, Beira, Chimoio, Tete e Dondo.

O início do recolher obrigatório noturno recua das 22:00 para as 21:00 e aplica-se a todas as cidades e vilas.

Desde o anúncio do primeiro caso, em março do último ano, Moçambique conta com um total de 1.138 óbitos devido à covid-19 e 100.785 infeções, 76% das quais recuperadas, segundo as últimas atualizações.

Assistir ao vídeo 01:49

Inhambane: Idosos abandonados, sem subsídio da Covid-19

Leia mais