Covid-19: Cabo Verde pode entrar em recessão se o turismo cair | Cabo Verde | DW | 19.03.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cabo Verde

Covid-19: Cabo Verde pode entrar em recessão se o turismo cair

A Standard & Poor's considera que a economia de Cabo Verde deverá registar um abrandamento do crescimento económico este ano, que pode mesmo ser negativo em caso de quebra mais acentuada no turismo.

Ilha do Sal, Cabo Verde

Ilha do Sal, Cabo Verde

De acordo com o relatório da agência de notação financeira sobre o impacto da queda acentuada do turismo nos maiores destinos turísticos mundiais, a quebra no crescimento do PIB de Cabo Verde para 2020 pode ir de 2,73 pontos percentuais do PIB, caso o turismo abrande 11%, até uma queda de 6,71 pontos se o fluxo de turistas cair 27%.

Para este ano, o Banco Africano de Desenvolvimento antecipava, antes da crise do Covid-19, um crescimento de 5%, em linha com a estimativa do Fundo Monetário Internacional (FMI), e dentro do intervalo apontado pelo Governo (de 4,8% a 5,8% do PIB), que já na semana passada admitia rever estas previsões.

Mobilização de parceiros internacionais

Numa mensagem divulgada no dia 12, o vice-primeiro-ministro Olavo Correia, que é também ministro das Finanças, lembrou que a "situação que o mundo atravessa terá, certamente, um impacto muito grande na economia cabo-verdiana", profundamente dependente dos mais de 750 mil turistas que recebe anualmente.

Dürre in Santiago Insel Kap Verde (DW/N.dos Santos)

O arquipélago é frequentemente afetado pela seca

O ministro acrescentou que o Governo está a trabalhar "na mobilização de parceiros internacionais", nomeadamente com o Banco Mundial e o FMI, para que se possa "mitigar o efeito do novo coronavírus na economia e, sobretudo, nas pessoas".

"O efeito do coronavírus não vai ser fácil."

Embora assumindo que o Governo tem determinação para encontrar soluções para o cenário atual, para "medidas de contingência" de forma a "dar ao país um quadro macroeconómico estável" e "executar os investimentos, ajustando o Orçamento em função desta nova realidade", Olavo Correia deixou o alerta: "Estamos cientes em como, acima dos três anos seguidos de seca que o país enfrenta, o efeito do coronavírus não vai ser fácil".

E a S&P confirma que "as economias insulares mais pequenas parecem ser as mais expostas a um abrandamento no turismo", como é o caso de Cabo Verde, um dos 16 países que têm receitas superiores a 25% vindas dos turistas internacionais.

Ainda esta semana a S&P tinha dito que, "em termos relativos, Aruba, Bahamas, Barbados, Cabo Verde e as ilhas Fiji teriam provavelmente as maiores descidas nas métricas de análise de crédito", colocando também Portugal no segundo grupo mais de países mais afetado pela quebra generalizada no turismo mundial.

Estágio global

O novo coronavírus, responsável pela pandemia do Covid-19, infetou mais de 220 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 8.900 morreram. Das pessoas infetadas, mais de 85.500 recuperaram da doença.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se já por 176 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu é onde está a surgir atualmente o maior número de casos, com a Itália, com 2.978 mortes em 35.713 casos, a Espanha, com 767 mortes (17.147 casos) e a França com 264 mortes (9.134 casos).

Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Assistir ao vídeo 04:17

Cabo Verde: Um país com pouca água

Leia mais