Congoleses expulsos da Lunda Norte: ″Vocês enxotaram-me do vosso país″ | Angola | DW | 19.10.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Congoleses expulsos da Lunda Norte: "Vocês enxotaram-me do vosso país"

A DW África foi à região do nordeste de Angola de onde mais de 200 mil congoleses foram repatriados no âmbito do combate ao tráfico de diamantes e à imigração ilegal. Alguns saíram voluntariamente, outros foram expulsos.

A Operação Transparência, que está a ser desencadeada pelo Governo angolano para combater o tráfico de diamantes e a imigração ilegal, acabou com o sonho de vários cidadãos da República Democrática do Congo (RDC), que viam a província da Lunda Norte como local de prosperidade financeira. Desde 25 setembro, o encerramento de cooperativas de exploração de diamantes e casas de compra e venda ilegal do mineral tem vários imigrantes, na sua maioria da RDC, a abandonar o país.

Em toda parte da Lunda Norte, carros e motorizadas carregados com bens domésticos como fogões, colchões e televisores chamam a atenção de quem passa. Quase todos têm como destino o posto fronteiriço da Chissanda e Kamako, a sete quilómetros do Dundo, a sede da província.

Uns despedem-se dos angolanos com canções, noutros rostos são visíveis os sinais de tristeza. Alguns imigrantes vendem os pertences para reduzir o peso e chegar à RDC com algum dinheiro.

O garimpeiro Mulumba Tony entrou em Angola com um visto de 15 dias e acabou por ficar cinco anos. "Só entrei em Angola para cavar camanga para conseguir dinheiro para comer com a minha mboa (mulher). Aqui em Angola não trabalho na empresa do Governo e como fecharam os locais de trabalho, não dá mais para ficar aqui", disse o jovem que se dirigia para fronteira.

Tony é um dos congoleses que estão a deixar o país por livre e espontânea vontade. Partem porque a oportunidade de ganhar dinheiro em Angola acabou com o encerramento das casas de compra ilegal de diamantes.

Ouvir o áudio 03:23

A saída de congoleses e o tráfico de diamantes na Lunda-Norte

Indignação na hora do adeus

Entretanto, mais de 200 mil estrangeiros foram repatriados porque, segundo as autoridades de Angola, trabalhavam nas zonas do garimpo.

Bia, de 28 anos, está indignada com a situação. A cabeleireira diz que regressa à RDC por ter sido expulsa. "Eu aqui vendia e trançava cabelo. Estou a voltar porque vocês me enxotaram do vosso país. Sou congolesa, estou aqui ilegal há quatro anos", explicou a jovem, que entrou com auxílio dos guardas fronteiriços angolanos.

A DW África esteve num dos postos policiais do município do Lucapa, uma das maiores zonas de exploração de diamantes. Aqui, muitos imigrantes foram repatriados à força por não responderem ao apelo do Governo.

Há congoleses que não têm meios próprios para regressar. Muitos estão a deixar os filhos que tiveram em Angola - como é caso de Frank, que deixa a esposa grávida. "Ela é angolana e eu sou estrangeiro. Estou a sair e estou a lhe deixar dois filhos e o que está na barriga será o terceiro", lamentou.

A operação conta com o apoio da população, que está a denunciar a existência de imigrantes ilegais nas comunidades. Os congoleses acusam os nacionais de vandalizarem os seus meios. Mas o soba Alberto Muevo do município do Lucapa nega a acusação.

"Eles estão levar tudo que eles compraram aqui na província da Lunda Norte. Estão a levar porque estão a sair voluntariamente. Estão a levar arcas, fogões e outros bens. Os estrangeiros roubaram todo o diamante, peixe, toda a nossa carne de caça, destruíram as árvores para fazer carvão. E isso prejudicou a província", disse Muevo.

Nos diversos comandos da polícia, há centenas de meios apreendidos pelas autoridades, como viaturas, motorizadas, bicicletas, equipamento de vídeo-vigilância, armas de fogo, detetores de diamantes e muitos outros.

Tráfico de diamantes

Segundo o porta-voz da operação Transparência, comissário António Bernardo, os compradores de diamantes estimulavam o tráfico ilegal nos garimpos da região.

"Essas casas estimulavam o tráfico ilícito de diamantes. Muitas das viaturas que os senhores viram nas visitas efetuadas às unidades da polícia aqui na Lunda Norte, viaturas ligeiras e de pequeno porte, falamos de Land Cruiser, Hyundai i10, e motorizadas com mais de 50 centímetros cúbico de cilindrada ou até 50 centímetros cúbicos também, serviam para estimular que mais diamantes fossem vendidos nestas casas", relata Bernardo.

O também comandante provincial da Polícia Nacional de Malanje explicou que os compradores ofereciam automóveis Land Cruiser a quem tivesse uma pedra de diamante que valesse entre 15 a 20 mil dólares. O garimpeiro que conseguisse um mineral avaliado em três mil dólares tinha direito a um Hyundai i10, e davam uma motorizada a cada homem que encontrasse um diamante que custasse 500 dólares.

Angola Polizeikomissar Antonio Bernardo

António Bernardo, porta-voz da operação Transparência

Desde o início da operação, as autoridades apreenderam mais de 26 mil pedras de diamantes e avultadas somas em moedas de vários países. Segundo as autoridades, as cooperativas de exploração de diamantes e as casas que compravam as pedras preciosas de forma ilegal não pagavam impostos ao Estado.

A província dispõe apenas de uma repartição fiscal, localizada no Dundo, capital da Lunda Norte. Ainda assim, nada prova que os exploradores são contribuintes.

Comunidades dizem-se abandonadas

Para os populares que vivem na miséria, nenhuma cooperativa contribuía para o bem social das comunidades onde atuavam. "Se eles pagavam impostos deve ser a nível da capital do país. Aqui neste município não pagavam, porque até não temos as instituições que cobram os impostos", disse o administrador de Cambulo, Silvestre Cheleca.

A primeira fase da operação Transparência vai terminar em 2020. O Presidente angolano disse no seu discurso sobre o estado da Nação que não haverá trégua para os traficantes de diamantes e para os estrangeiros ilegais.

"Por se tratar de uma questão de segurança nacional e de defesa e proteção dos nossos recursos naturais, estamos a levar a cabo, um combate sem trégua contra este fenómeno que se instalou no nosso país aos olhos de todos e com a conivência e proteção de muitos cidadãos nacionais que passam também a serem responsabilizados", anunciou João Lourenço.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados