1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Afrikaner in Deutschland Mo aus Ghana
Foto: Kate Hairsine/DW
MigraçãoAlemanha

Como vivem os imigrantes africanos na Alemanha?

Kate Hairsine
9 de dezembro de 2022

Com a Alemanha a planear flexibilizar as suas leis de imigração, os imigrantes africanos contam à DW as suas experiências de preconceito e burocracia.

https://p.dw.com/p/4KhmG

Cerca de meia dúzia de clientes enchem os corredores do supermercado M&D Afro-Caribe em Karlsruhe, uma cidade de tamanho médio no sudoeste da Alemanha. Estão aqui para o fufu (farinha de mandioca), inhame e outras especiarias da África Ocidental vendidas na loja.

A loja é um negócio paralelo para Mohammed, de 42 anos, natural de Accra no Gana, que preferiria não ver o seu apelido revelado. Trabalha a tempo inteiro numa fábrica vizinha da Daimler que produz carros Mercedes de luxo. A sua esposa também natural do Gana, Faustina, dirige a loja, o que lhe dá tempo para cuidar dos seus quatro filhos.

"É muito agradável morar na Alemanha", diz Mo, como ele gosta de ser chamado. Ele tece elogios ao sistema de segurança social e seguro de saúde do país e aprecia a disciplina e a ordem alemã. "Para viver na Europa, penso que a Alemanha é o melhor país".

Mas nem sempre tem sido fácil para ele aqui. Mo veio para a Alemanha, onde o seu tio já vivia, há mais de 20 anos, como refugiado político. Inicialmente lutou com a burocracia de obter os seus documentos e uma licença de trabalho, algo que ele pensa que a Alemanha precisa de melhorar. Aprender alemão foi também "muito, muito difícil". Na altura, não havia nenhum dos cursos de línguas gratuitos que a cidade oferece agora aos novos imigrantes.

Marcado por estereótipo

Além disso, os alemães têm certas suposições sobre os africanos, diz ele, especialmente os homens.

"No momento em que vêem um homem negro, eles [alemães] pensam que deve ser um qualquer", diz ele à DW. "Lamento usar esta palavra, mas a maioria deles vê um negro e pensa que ele é um refugiado ou vende drogas".

A Alemanha, um país de quase 84 milhões de pessoas, tem na realidade poucos imigrantes africanos. Em 2021, apenas 450.000 pessoas da África subsaariana foram registadas no país - embora isto não conte com aqueles que adquiriram a cidadania alemã. Quando Mo chegou à Alemanha há duas décadas, era ainda menos, com apenas 164.000 africanos subsaarianos a viver oficialmente aqui.

Quando Mo vivia numa aldeia nos arredores de Karlsruhe, a polícia constantemente solicitava os seus documentos ou verificava se ele tinha pago as compras que fazia. Uma vez, teve de tirar as suas roupas durante um controlo de drogas, algo que achou "muito, muito constrangedor".

Mais recentemente, disse ele, a polícia veio ao seu supermercado porque alguém denunciou que haviam negros à porta, a conversarem  alto e a falarem ao telefone".

"Eles têm uma má mentalidade em relação aos Negros", disse Mo. "Eles vêem-nos como pessoas más".

Um estudo de 2018 concluiu que um terço dos africanos que viviam na Alemanha relataram ter sido maltratados ou abusados. Esta é uma taxa muito mais elevada do que os africanos relatados na maioria dos outros estados membros da UE. Muitos disseram também que se sentiram discriminados na procura de um emprego ou apartamento por serem africanos.

No entanto, a experiência de Mo no trabalho é positiva, sublinha ele. Ele não se sente só, porquee tantas outras nacionalidades trabalham juntos. E ter um contrato com a Daimler, uma das maiores empresas alemãs, torna-o adorado pelas agências de aluguer, que o vêem como um inquilino seguro.

A crescente diversidade

Delicia Hofmann da África do Sul vive mesmo ao cimo da estrada da loja Afro-Caribenha. Conheceu o seu marido alemão, que visitou a África do Sul em 1996, apenas dois anos depois de o país ter eleito Nelson Mandela nas suas primeiras eleições pós-apartheid. Foi "muito desconfortável" para um casal inter-racial naquela altura na África do Sul, diz ela, por isso mudou-se para a Alemanha, onde se casaram.

Uma licenciada que, felizmente, tinha aprendido alemão na escola em casa, em Stellenbosch, encontrou rapidamente um emprego na assistência a clientes para um fundo de pensões da empresa. Na altura, Hofmann foi a primeira pessoa negra entre 800 funcionários.

"As pessoas olharam para mim, mas de uma forma curiosa. Reparei nisso, mas não me sinto incomodada", diz ela, acrescentando que provavelmente tem sido mais fácil para ela como mulher na Alemanha, porque os homens negros são tratados de forma muito diferente. "Senti-me bem-vinda na maioria dos lugares, mas após anos apercebi-me que isso se deve ao fato de saber falar a língua".

Demorou algum tempo a ganhar confiança para "mostrar" a sua africanidade, usando certas roupas ou um lenço de cabeça.

À medida que Karlsruhe e a Alemanha se tornam mais internacionais e abertos, ela sente-se ainda "mais confortável" em viver aqui. Pouco mais de um quinto da população de Karlsruhe, de 306.000 habitantes, é estrangeira. "Sinto que a maioria das pessoas aqui estão abertas a isso", diz Hofmann. "E elas também veem a necessidade de mudança".

Para Hofmann, uma das maiores vantagens de viver na Alemanha é a liberdade de movimento de que ela não desfrutaria como mulher na África do Sul. "Aprecio muito sair e estar na rua e saber que estou realmente segura, mesmo que chegue tarde a casa na minha bicicleta", diz ela.

"Na verdade, andar de bicicleta por aí é um luxo para mim".

Deutscher und zweiter Pass vor Deutschlandfahne Symbolfoto doppelte Staatsbuergerschaft
Foto: picture-alliance/Bildagentur-online/Ohde

Dupla disputa de cidadania

No entanto, ela tem uma grande queixa, partilhada por Mo da loja afro-caribenha - a Alemanha não permite a dupla cidadania com Nações não pertencentes à UE, à excepção da vizinha Suíça.

Tanto Mo como Hofmann recusam-se a abdicar dos passaportes dos seus países de nascimento por um alemão. "Eu sei que é apenas um pedaço de papel, mas é um pedaço de papel que está ligado à minha herança", diz Hofmann.

O actual governo prometeu permitir múltiplas cidadanias como parte de uma ampla revisão das leis de imigração da Alemanha, algo que ela está ansiosa por fazer. "Então posso dizer: 'OK, sou agora uma cidadã alemã'. Porque me sinto em casa na Alemanha, e gostaria também de ter o direito de voto".

À espera dos documentos

A apenas três quarteirões do supermercado Afro-Caribe, alguns homens sentam-se num sofá no One-Love Afro Barber Shop à espera de um corte de cabelo. Um deles é Waham, de 24 anos, da Eritreia. Vive na Alemanha há sete anos, tendo fugido do serviço militar obrigatório draconiano do seu país.

Esteve em Itália antes de vir para a Alemanha, mas sente-se melhor aqui porque há mais oportunidades de trabalho e de aprendizagem de competências. Além disso, tem a possibilidade de frequentar aulas de alemão proporcionadas pela cidade.

Afrikaner in Deutschland
Foto: Kate Hairsine/DW

O que ele não compreende, diz ele, é o quão tortuoso a Alemanha faz o processo de pedido para os eritreus e outros como ele que aqui procuram asilo. A Alemanha está a desperdiçar as suas competências, diz ele, uma vez que não podem trabalhar enquanto esperam no limbo burocrático.

Metade de todas as empresas alemãs dizem que tiveram de reduzir os seus negócios este ano porque não conseguem recrutar pessoal.

"Há muito e muito trabalho na Alemanha", diz ele, "mas aqueles sem os documentos adequados não podem trabalhar". Isso não faz sentido".

Viver sem família

Como parte da sua reforma da imigração, o parlamento alemão aprovou um projecto de lei para reduzir os obstáculos burocráticos no sistema de asilo. Este prevê um caminho para que as pessoas que tenham vivido na Alemanha com uma autorização de "estadia tolerada" durante pelo menos cinco anos possam obter residência permanente.

Mas mesmo que se torne mais fácil para aqueles que já aqui estão trabalhar, Waham continua a advertir contra a procura de asilo na Alemanha. O sistema de reunificação familiar não funciona aqui, diz ele, acrescentando que conhece muitos eritreus que esperam há anos que as suas mulheres ou filhos sejam autorizados a vir.

Segundo a lei alemã, os refugiados reconhecidos podem trazer os seus parceiros e filhos para a Alemanha. Mas os eritreus são muitas vezes incapazes de obter os documentos do seu próprio governo para provar estes laços familiares.

"A vida aqui é mais difícil sem a sua esposa, os seus filhos, sem a sua família", diz Waham. 

Pacto migratório da UE é vitória de governos anti-imigração?

Saltar a secção Mais sobre este tema
Saltar a secção Conteúdo relacionado