Casos de HIV/SIDA aumentam em Angola | NOTÍCIAS | DW | 21.08.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Casos de HIV/SIDA aumentam em Angola

Rede Angolana de Organizações de Serviços de SIDA considera preocupante o número crescente de casos de HIV/SIDA em Angola. Diariamente, morrem mais de 30 pessoas com a doença. E a Covid-19 desviou as atenções do Governo.

Presidente da ANASO, António Coelho (sentado), e outros membros da ONG

Presidente da ANASO, António Coelho (sentado), e outros membros da ONG

O presidente da Rede Angolana de Organizações de Serviços de SIDA (ANASO), António Coelho, afirma que a luta contra a SIDA em Angola está a viver grandes dificuldades.

Em entrevista à DW, o responsável da ANASO lamenta que a pandemia de Covid-19, que já infetou cerca de 2 mil angolanos, tenha retirado o programa de combate ao HIV/SIDA da lista de prioridades do Governo.

Coelho diz que faltam apoios para proteção dos doentes a nível nacional, numa altura em que a ANASO regista um aumento do número de casos no país: "A situação é preocupante. Em média, 76 novas infeções estão a ser registadas diariamente. E em média há também um número elevado de mortes relacionadas com a SIDA. 36 mortes estão a ser registadas todos os dias", revelou o presidente da ANASO.

A ANASO avança que o país tem agora mais de 350 mil pessoas portadoras do HIV, das quais mais de 200 mil estão em tratamento.

Angola é dos países com maior taxa de transmissão vertical, de acordo com António Coelho. O líder da ONG afirma que os dados sobre a doença, divulgados pelas autoridades não são reais e defende mais financiamento para o setor da saúde.

"Precisamos de ter dados credíveis e para isso precisamos de melhorar o nosso sistema de informação em saúde", sublinha. "Temos também de aumentar o financiamento na saúde, particularmente, para a SIDA, malária e tuberculose. Deve-se perceber que, apesar da Covid-19, temos que continuar a lutar contra a SIDA, a malária e a tuberculose", defende.

Angola Luanda | AIDS-Hilfsorganisationen | ANASO

sede do Instituto Nacional da Luta contra a Sida em Luanda

Falta de medicamentos

O país regista desde março deste ano uma rutura no ‘stock’ de antirretrovirais de primeira linha. A situação deixa vulnerável cerca de 25 mil pessoas que estão há mais de três meses sem a medicação.

Diariamente, mais de 25 portadores de HIV solicitam apoios de medicamentos à ANASO. "A situação está a gerar medo e angústia, por causa do tempo que estão sem a medicação", afirma António Coelho.

"As informações que temos é que os antirretrovirais de segunda linha chegaram ao país na primeira semana de agosto, agora estamos a lutar para o seu desalfandegamento. Não sabemos quanto tempo vai levar, mas a verdade é que a ANASO se associa à situação das pessoas vivendo com o HIV e continua a desenvolver ações de advocacia para que os medicamentos cheguem as pessoas que precisam", garante.

Para além da escassez de medicamentos, o coronavírus aumentou as dificuldades sociais dos doentes, que também se queixam da falta de alimentação.

Leia mais