Caso Matavele: Polícias ″chocados e tristes″ com envolvimento de colegas | Moçambique | DW | 24.06.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Caso Matavele: Polícias "chocados e tristes" com envolvimento de colegas

O presidente da Associação Moçambicana de Polícias, Nazário Muanambane, considera que o envolvimento de agentes no homicídio do observador eleitoral Anastácio Matavele mancha a corporação.

"Ficamos chocados e tristes, quando ficou demonstrado que colegas nossos se envolveram naquele ato macabro", disse Nazário Muanambane à agência de notícias Lusa.

Muanambane avançou que a postura dos seis agentes condenados, sobretudo dos dois confessos, é contrária aos princípios éticos e deontológicos da polícia.

"De nós, a sociedade não espera que estejamos metidos em atos criminosos, mas que sejamos garantes da lei, ordem e tranquilidade", frisou.

Ordens superiores?

O presidente da Associação Moçambicana de Polícias (Amopaip) disse-se "aliviado" pelo facto de não ter sido demonstrado que os polícias atuaram em serviço e por ordens superiores.

"A polícia toda teria ficado mais manchada, se o tribunal tivesse entendido que os polícias condenados agiram em serviço e a mando de superiores hierárquicos", assinalou Nazário Muanambane.

Muanambane referiu que as penas aplicadas aos agentes, principalmente a quatro não confessos, poderão sofrer "algum reparo" na instância de recurso, uma vez que o acórdão em primeira instância é de recurso obrigatório.

O Tribunal Judicial da Província de Gaza, sul de Moçambique, condenou na última quinta-feira (18.06) seis polícias a penas de prisão entre três anos e 24 anos pelo seu envolvimento no homicídio em outubro passado de Anastácio Matavele.

Assistir ao vídeo 01:49

Moçambique: "Sala da Paz" classifica de cruel e intimidador assassinato de Matavel

Leia mais