Cabinda: FLEC denuncia morte de refugiados por tropas angolanas | Angola | DW | 09.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Cabinda: FLEC denuncia morte de refugiados por tropas angolanas

Chega a sete o número de refugiados cabindenses mortos durante um ataque das Forças Armadas de Angola, no domingo (08.11). É o que diz a Frente de Libertação do Enclave de Cabinda-Forças Armadas de Cabinda (FLEC-FAC).

Foto simbólica

Foto simbólica

O ataque ocorreu numa aldeia congolesa fronteiriça. Segundo um comunicado divulgado esta segunda-feira (09.11) pela FLEC-FAC, a incursão dos militares angolanos na aldeia de Yema di Yanga, na fronteira de Mbaka-Khosi aconteceu perto das 22h e resultou na morte de duas mulheres, uma das quais grávida de oito meses e cinco homens, que estavam desarmadas.

"As autoridades angolanas consideram todos os refugiados cabindenses como soldados da FAC. A FLEC-FAC denuncia um crime de guerra, um ato de terror bárbaro do regime angolano, e condena veementemente a perseguição e violência opressora cometida contra refugiados" na República Democrática do Congo, acrescenta-se no documento, assinado pelo secretário-geral, Jacinto António Télica.  

Os independentistas voltam a apelar à comunidade internacional, em particular o secretário-geral das Nações Unidas António Guterres para encontrar uma solução para o problema e agir contra "os atos terroristas" do Governo angolano.

Karte Angola mit den 18 Provinzen Portugiesisch

Independentistas pedem justiça

"Esta crueldade, este tratamento desumano de refugiados cabindenses nos dois Congos não deve perpetuar-se", salienta-se no comunicado, pedindo que a justiça internacional denuncie o silêncio do Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugidos (ACNUR) sobre as mortes arbitrárias nos campos de refugiados cabindenses.

A agência de notícias Lusa tem questionado o Ministério da Defesa de Angola sobre as alegações das FLEC-FAC sem nunca obter confirmação relativamente aos confrontos e baixas das Forças Armadas Angolanas.

A FLEC, através do seu "braço armado", as FAC, luta pela independência no território alegando que o enclave era um protetorado português, tal como ficou estabelecido no Tratado de Simulambuco, assinado em 1885, e não parte integrante do território angolano.

Criada em 1963, a organização independentista dividiu-se e multiplicou-se em diferentes fações, efémeras, com a FLEC/FAC a manter-se como o único movimento que alega manter uma "resistência armada" contra a administração de Luanda. Mais de metade do petróleo angolano provém desta província angolana.

Assistir ao vídeo 01:57

Cabinda: "Medo, isso é coisa do passado!"

Leia mais