Burkina Faso: Junta militar anuncia eleições dentro de dois anos e meio | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 28.02.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Burkina Faso: Junta militar anuncia eleições dentro de dois anos e meio

A junta militar que governa o Burkina Faso anunciou um calendário provisório para a realização de eleições.

Tenente-coronel Paul-Henri Sandaogo Damiba foi investido como Presidente do Burkina Faso a 16 de fevereiro de 2022

Tenente-coronel Paul-Henri Sandaogo Damiba

O Movimento Patriótico de Salvação e Restauração golpista, liderado por Paul-Henri Sandaogo Damiba, apresentou o resultado do trabalho da comissão encarregada de elaborar orientações.

O texto prevê um Governo interino com um primeiro-ministro civil nomeado por Damiba e não mais de 20 membros, que irão gerir o país durante dois anos e meio. Os membros deste Governo não podem concorrer às eleições.

Damiba tomou posse em 16 de fevereiro como Presidente do Burkina Faso, menos de uma semana depois de o Tribunal Constitucional ter aprovado a sua nomeação após o golpe de Estado que depôs o anterior Presidente, Roch Kaboré, em 24 de janeiro.

O golpe de Estado foi perpetrado depois de um motim militar em protesto contra a insegurança e a falta de meios para lidar com o 'jihadismo', razão pela qual os soldados exigiram a demissão de Kaboré e de outras altas patentes das forças de segurança.

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), que suspendeu o Burkina Faso da organização em 28 de janeiro por causa do golpe, tinha pedido às novas autoridades que apresentassem um "calendário razoável para o regresso à ordem constitucional".

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados