Golpe no Burkina Faso: ″As pessoas estavam cansadas″ | NOTÍCIAS | DW | 25.01.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Golpe no Burkina Faso: "As pessoas estavam cansadas"

Comunidade internacional condena o golpe de Estado, mas alguns cidadãos burquinabês estão expectantes por ver o Movimento Patriótico de Salvaguarda e Restauração em ação.

Residentes saíram à rua para celebrar o golpe militar

Residentes saíram à rua para celebrar o golpe militar

O Presidente do Burkina Faso, Roch Kaboré, demitiu-se esta terça-feira (25.01) após a tomada do poder pelos militares, na sequência do golpe de Estado do passado domingo, protagonizado pelo Movimento Patriótico de Salvaguarda e Restauração (MPSR), liderado pelo tenente-coronel Paul Damiba.

Algumas manifestações de contentamento popular foram observadas em Ouagadougou, capital do Burkina Faso.

Simpatizantes do Movimento Popular para o Progresso (MPP, o partido de Kaboré) e residentes dizem-se a favor do golpe.

Paul Damiba, o novo homem forte do Burkina Faso

O tenente-coronel Paul Damiba é o novo "homem forte" do Burkina Faso após o golpe de Estado

"Votei no MPP. Não me arrependo da minha escolha. Mas vejo hoje que o que nos foi dito não foi concretizado. 80% da população estava farta, por isso podemos dizer que é um golpe salutar", afirma um apoiante.

Outro cidadão confirma que "as pessoas estavam cansadas", as restrições às liberdades eram demais.

"Tentámos com o regime deposto, mas não funcionou. Vamos tentar com eles. Há golpes o tempo todo. No Burkina Faso, ninguém gosta disso. Adoramos a paz e queremos avançar. Esperamos algo novo deles, algo que faça o país avançar."

Prioridades do MPSR

As prioridades do Movimento Patriótico de Salvaguarda e Restauração (MPSR) são muitas, frisa o analista político, Aziz Dabo: "Trabalhar para proteger o território nacional e restabelecer a ordem, e criar condições favoráveis ​​a uma verdadeira reconciliação nacional."

Dabo apela ao MPSR que não leve a cabo uma "caça às bruxas". "Não precisamos de criar um clima para nos desunir", explica.

O Movimento Patriótico de Salvaguarda e Restauração compromete-se a propor, dentro de um prazo razoável e após consultas, um cronograma para o retorno à ordem constitucional, aceite por todos.

Presidente do Burkina Faso, Roch Kaboré

Alta-Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos pede a "libertação imediata" do Presidente Roch Kaboré

"Libertação imediata"

A Alta-Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, pede a "libertação imediata" de Roch Kaboré.

"Pedimos aos militares que libertem imediatamente o Presidente e outros altos funcionários que tenham sido detidos", disse Ravina Shamdasani, porta-voz do gabinete de Bachelet, numa conferência de imprensa em Genebra, esta terça-feira.

A responsável "deplora profundamente a tomada do poder pelos militares" e "apela a um rápido regresso à ordem constitucional". 

Também o Presidente francês, Emmanuel Macron, condenou o golpe no Burkina Faso, informando ter estado em contacto com os "líderes da região" sobre a tomada do poder pelos militares.

Presidente francês, Emmanuel Macron

"Tive as primeiras discussões com os líderes da região e terei mais nos próximos dias", Macron

"Tive as primeiras discussões com os líderes da região e terei mais nos próximos dias", disse Macron, à margem de uma viagem à região do Limousin. 

"Muito claramente, como sempre, estamos ao lado da organização regional CEDEAO [Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental] na condenação deste golpe militar", acrescentou o chefe de Estado francês.

Para Emmanuel Macron, este golpe de Estado "faz parte de uma sucessão de golpes militares extremamente preocupantes, numa altura em que a região [do Sahel] deve ter como prioridade a luta contra o terrorismo islâmico".

As organizações internacionais, nomeadamente a União Europeia, União Africana e CEDEAO, bem como os EUA, já sublinharam a sua preocupação com os acontecimentos no Burkina Faso e responsabilizaram as Forças Armadas pela integridade física do Presidente Kaboré.

Segundo informações do Presidente francês, "a integridade física [de Roch Kaboré] não está ameaçada".

Assistir ao vídeo 03:06

Esta é a minha cidade: Ouagadougou

Leia mais