Banco Mundial e FMI desembolsam fundos para conter pandemia | Cabo Verde | DW | 18.04.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cabo Verde

Banco Mundial e FMI desembolsam fundos para conter pandemia

Instituições estão a disponibilizar fundos de emergência para países em desenvolvimento e de baixo rendimento para combater rápida expansão do coronavírus. Cabo Verde e São Tomé e Príncipe serão beneficiados.

USA Sitz des Internationalen Währungsfonds (IWF) in Washington DC

Sede do FMI, em Washington

As instituições financeiras internacionais e os líderes africanos advertiram, na sexta-feira (17.04), que o continente africano precisa de dezenas de milhares de milhões de dólares adicionais em dinheiro para combater a pandemia do coronavírus, apesar do congelamento da dívida e das promessas maciças de apoio.

Numa declaração conjunta, o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional afirmaram que cada um deles contribuiu para os 57 mil milhões de dólares mobilizados pelos credores oficiais para apoiar os cuidados de saúde e a recuperação económica no continente mais pobre do mundo, enquanto 13 mil milhões de dólares provinham de fundos privados.

"Este é um começo importante, mas o continente precisa de cerca de 114 mil milhões de dólares em 2020 na sua luta contra a COVID-19, deixando um défice de financiamento de cerca de 44 mil milhões de dólares", lê-se na declaração.

Cabo Verde e São Tomé beneficiados

Cabo Verde e São Tomé e Príncipe são os dois países lusófonos que aparecem na lista de países beneficiados pela ação das duas instituições financeiras, de acordo com a agência de notícias Reuters.

Enquanto para Cabo Verde está prevista uma ajuda de cinco milhões de dólares, São Tomé e Príncipe deverá receber um apoio da ordem dos 2,5 milhões de dólares.

Não está claro se os países irão beneficiar de fundos de emergência ou se trata-se de um aumento no volume dos programas já existentes.

Reverter a situação

As instituições sediadas em Washington terminaram esta semana as suas reuniões da primavera, lançando uma lista de programas de financiamento destinados a combater a pandemia, que o Presidente do Banco Mundial, David Malpass, afirmou poder reverter os desenvolvimentos nos países pobres.

África é vista como particularmente vulnerável à catástrofe, que o FMI alertou ser a pior crise financeira desde a Grande Depressão.

Os especialistas receiam que os notoriamente fracos sistemas de saúde do continente não consigam travar a propagação da Covid-19, enquanto os efeitos combinados de uma quebra na procura de minerais e do turismo, juntamente com os bloqueios para travar o contágio, poderão vir a afectar as economias.

"Esta pandemia já teve um impacto devastador em África e os seus efeitos irão agravar-se à medida que a taxa de infeção aumentar", afirmou na declaração o Presidente sul-africano e Presidente da União Africana, Cyril Ramaphosa.

"É um revés para os progressos que fizemos para erradicar a pobreza, a desigualdade e o subdesenvolvimento".

Leia mais