Avião de Moise Katumbi impedido de aterrar na RDC | NOTÍCIAS | DW | 03.08.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Avião de Moise Katumbi impedido de aterrar na RDC

Ex-governador da província de Katanga, até aqui exilado, acabou por entrar no país por via terrestre, através da Zâmbia. Opositor Moise Katumbi quer formalizar a sua candidatura às presidenciais, agendadas para dezembro.

Kongo Oppositionspolitiker Moise Katumbi

Moise Katumbi

O avião em que viajava, esta sexta-feira (03.08), o ex-governador da província de Katanga, proveniente da África do Sul, não recebeu autorização para aterrar em Lubumbashi, na República Democrática do Congo (RDC). Moise Katumbi foi então forçado a viajar por terra, a partir da fronteira com a Zâmbia.

De acordo com o porta-voz de Katumbi, Olivier Kamitatu, o opositor do Presidente Joseph Kabila, exilado na Bélgica desde maio de 2016, planeava aterrar no Aeroporto Internacional de Luano, em Lubumbashi, no sudeste do país, para formalizar a candidatura às eleições presidenciais, agendadas para 23 de dezembro, mas foi proibido pela administração local e pela Autoridade para a Aviação Civil de entrar no espaço aéreo congolês.

Demokratische Republik Kongo Joseph Kabila

Joseph Kabila está no poder desde 2001

Órgãos de comunicação social locais dão conta da saída da caravana de Katumbi em direção a Kasumbalesa, uma cidade fronteiriça entre a Zâmbia e a RDCongo, onde deverá ter chegado, segundo relatos no Twitter, ao final desta manhã.

Mandado de prisão

Katumbi anunciou, esta quarta-feira (01.08), o  seu regresso à RDC para formalizar a sua candidatura às próximas eleições presidenciais. No dia seguinte, a polícia deu conta de que iria executar um mandado de prisão datado de 2016 para o capturar.

Este opositor de Kabila foi condenado à revelia em junho de 2016 e sentenciado a uma pena de prisão de 36 meses pela venda de uma casa que não era sua. O caso tem contornos semelhantes ao que envolveu outro político congolês, Jean-Claude Muyambo, condenado sob as mesmas circunstâncias.

A organização não-governamental RDC Vision National partilhou, ao início desta manhã, algumas fotos que mostravam veículos de água quente e vários agentes da polícia a dispersar a população no centro de Lubumbashi. Foram igualmente partilhadas várias fotos com carrinhas de caixa aberta da polícia com vários militares armados a patrulhar a cidade.

Chegou à RDC, também esta semana, outro rival de Kabila, o ex-líder rebelde Jean-Pierre Bemba, que já formalizou oficialmente sua candidatura à presidência.

 A RDC nunca conheceu uma transição pacífica de poder desde que conquistou a independência em 1960. Alguns especialistas temem que as eleições de 23 de dezembro possam desencadear um conflito sangrento.

Leia mais