Ativistas de Cabinda detidos em Luanda | NOTÍCIAS | DW | 01.02.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Ativistas de Cabinda detidos em Luanda

Quatro ativistas da província de Cabinda manifestavam-se junto à embaixada portuguesa em Angola quando foram detidos, segundo um dos participantes no protesto. Polícia confirma e justifica com "tumulto".

Foto de arquivo: Polícia em Luanda

Foto de arquivo: Polícia em Luanda

Um grupo de ativistas da província de Cabinda foi detido esta terça-feira (01.02) quando se manifestava em frente à embaixada de Portugal em Luanda, capital de Angola, para chamar a atenção do Governo português sobre a situação política naquele território. 

Em declarações à agência Lusa, um dos participantes no ato, Leoton Mabiala, disse que o protesto se iniciou com quatro ativistas munidos de cartazes, às 11h00. Perto das 12h00, surgiu um carro-patrulha da polícia e levou os manifestantes para lugar incerto. 

"Já havia uns sete ou oito polícias [no local] e depois apareceu a patrulha e levou os quatro. Até agora não sei para onde os levaram, suponho que devem estar no Bairro Operário, mas ainda não tive contacto com eles", referiu.

Leoton Mabiala adiantou que além dos quatro ativistas, havia outras pessoas, em número que não revelou, que faziam parte do protesto, mas que "por questões estratégicas" se encontravam afastadas.

Contactada a polícia, o porta-voz do comando provincial de Luanda, Nestor Goubel, confirmou a detenção de três ativistas, que "não reuniram qualquer pressuposto" da Lei de Manifestações e Reunião. O porta-voz disse que, devido ao "tumulto" criado no local, foram preventivamente detidos e deverão ser presentes ao Ministério Público.

Angola Protest in Cabinda

Manifestação convocada pelo Movimento Independentista de Cabinda (MIC) para o dia da independência de Angola, a 11 de novembro, foi frustrada pelas autoridades.

"Portugal é culpado da Guerra em Cabinda"

"Cabinda é um Protetorado Português", "Há Presos Políticos em Cabinda! Liberdade Já!", "Exigimos o Fim do Conflito Armado em Cabinda. Viva o Diálogo!" e "Viva Simulambuco" eram os escritos nos cartazes empunhados pelos ativistas, que pediam para falar com o embaixador português.

"Cabinda é um Protetorado de Portugal. Queremos falar com o embaixador, estamos no território português. O nosso problema não é com Angola, o nosso problema é com Portugal. Portugal é que nos entregou nas mãos doa angolanos", gritavam os ativistas.

Segundo Leoton Mabiala, o objetivo desta concentração visou lembrar Portugal que "tem um tratado com o povo de Cabinda, o Tratado de Simulambuco, e precisa de se pronunciar face ao problema de Cabinda".

"Nós ainda somos um Protetorado Português, então Portugal precisa ganhar essa coragem e assumir os acordos e tratados que foram feitos com os cabindas, este foi o objetivo da manifestação e alertarmos também para a questão sobre o conflito armado", disse.

Manifestantes pedem coragem a Portugal

Relativamente ao alegado conflito armado em Cabinda, o ativista realçou que "só existe porque Portugal ainda se mantém calado". Se Portugal tivesse a coragem de se pronunciar, tal como se pronunciou na situação de Timor-Leste contra a invasão da Indonésia, o problema de Cabinda já estaria resolvido e o conflito de Cabinda já deveria terminar", frisou.

O ativista político acusa Portugal de ter "uma certa responsabilidade e cumplicidade na situação que se passa em Cabinda".

Leoton Mabiala recordou a detenção em Cabinda de dois ativistas do Movimento Independentista de Cabinda (MIC), em outubro do ano passado, condição em que continuam até à presente data. "É uma das nossas preocupações, são presos políticos e não podemos continuar a viver assim", salientou, realçando que nesta altura as maiores preocupações se prendem com o conflito armado e detenções arbitrárias naquele território petrolífero de Angola.

Trata-se de António Tuma, secretário adjunto para a Informação do MIC, e Alexandre Dunge, membro do movimento, indiciados da suposta prática de crime de organização criminosa, organização terrorista, rebelião, perturbação do funcionamento dos órgãos de soberania e desobediência.

Sobre o assunto, o advogado de defesa do caso, Mananga Padi, disse à Lusa que o instrutor processual já elaborou o relatório sobre a instrução processual, devendo remeter o documento ao Ministério Público, "para efeito de abstenção ou acusação". O causídico disse que no dia 6 deste mês termina o primeiro prazo de prisão preventiva, havendo possibilidade de extensão.

Cabinda: "Medo, isso é coisa do passado!"

Leia mais