Ataque em Mocímboa da Praia faz pelo menos dez mortos | Moçambique | DW | 25.09.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Ataque em Mocímboa da Praia faz pelo menos dez mortos

Pelo menos dez pessoas morreram e várias casas foram incendiadas, incluindo a sede da FRELIMO, na sequência de um ataque na aldeia de Mbau, Mocímboa da Praia, segundo informações locais.

O ataque ocorreu cerca das 18:00 locais na aldeia de Mbau, Mocímboa da Praia, onde grupos desconhecidos incendiaram várias casas e a sede da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), disse o porta-voz do partido, Caifadine Manasse, citado pela Agência de Informação de Moçambique.

A Unidade de Intervenção Rápida (UIR) das Forças de Defesa e Segurança tentou repelir o ataque, tendo ocorrido uma troca de tiros por longas horas, referiu o chefe da aldeia de Mbau, citado pela organização não-governamental (ONG) Centro de Integridade Pública (CIP), que tem uma missão de observação eleitoral na região.

"Os insurgentes também arrombaram barracas [locais de venda informal] e apoderaram-se de mercadorias, incendiaram as barracas e saíram da aldeia com a viatura cheia", disse.

 O número de mortos na sequência do ataque está por apurar.

O CIP fala de pelo menos 10 mortos, enquanto que uma outra ONG de observação eleitoral, Sala da Paz, aponta para 15 vítimas mortais.

A Lusa tentou obter esclarecimentos junta das autoridades, mas não obteve resposta. 

Assistir ao vídeo 02:24

Moçambique: Treinar mão-de-obra local para exploração de gás no norte

Outro ataque

O CIP acrescenta ainda que houve no mesmo dia mais uma ataque, por volta das 10:00, na vila de Lindala, no distrito de Muidumbe, onde dois homens morreram após serem atacados quando trabalhavam em seus campos agrícolas.

Alguns distritos da província de Cabo Delgado, norte de Moçambique, são alvo de ataques de grupos armados desde há dois anos, havendo relatos de violência quase todas as semanas, apesar do silêncio das autoridades.

De acordo com números recolhidos pela Lusa, a onda de violência já terá provocado a morte de, pelo menos, cerca de 200 pessoas, entre residentes, supostos agressores e elementos das forças de segurança.

Os ataques ocorrem na região onde se situam as obras para exploração de gás natural nos próximos anos.

O grupo 'jihadista' Estado Islâmico tem anunciado desde junho estar associado a alguns destes ataques, mas autoridades e analistas ouvidos pela Lusa têm considerado pouco credível que haja um envolvimento genuíno do grupo terrorista nos ataques, que vá além de algum contacto com movimentos no terreno.

Leia mais