Angola: Novas notas de kwanza não vão ter rosto de José Eduardo dos Santos | Angola | DW | 20.12.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: Novas notas de kwanza não vão ter rosto de José Eduardo dos Santos

As novas notas da moeda nacional de Angola, o kwanza, vão entrar em circulação em 2020, mas ainda carecem de aprovação parlamentar. O rosto do ex-Presidente José Eduardo dos Santos será retirado do dinheiro angolano.

A nova família de notas do kwanza, moeda nacional angolana, entra em circulação em 2020. A chamada "série 2020” vai trazer novas notas de 200, 500, 1.000, 2.000, 5.000 e 10.000 kwanzas.

Apesar de circularem nas redes sociais imagens das supostas novas notas, fonte oficial do Banco Nacional de Angola (BNA) esclareceu à DW África que as fotografias dizem respeito "a uma proposta que o BNA fez", que carece ainda de aprovação do Parlamento.

Banco Nacional de Angola - BNA

Fonte do Banco Nacional de Angola informa que novas notas de kwanza ainda carecem de aprovação parlamentar

O rosto do ex-Presidente José Eduardo dos Santos, que governou Angola durante 38 anos, não vai aparecer nas cédulas. Apenas a figura de Agostinho Neto, primeiro Presidente de Angola, permanecerá nas mesmas.

"Considero acertada a medida da retirada do ex-Presidente José Eduardo dos Santos das notas de kwanza em Angola. Não faz sentido que as notas tivessem que contemplar várias figuras", comenta o jornalista angolano Ilídio Manuel.

Agostinho Neto: figura a recordar pelos melhores e piores motivos

Relativamente à imagem de António Agostinho Neto, primeiro chefe de Estado angolano, Ilídio Manuel considera a medida "aceitável” apesar de não reunir consenso na opinião pública. "Ainda que Agostinho Neto não seja consensual, podemos aceitar que ele permaneça nas notas visto que ele foi a pessoa que proclamou a independência nacional. É uma figura que pelas melhores ou piores razões terá de ser sempre recordada", acrescenta.

Alexandre Solombe, outro jornalista e economista angolano, afirma que a falta de consenso não se regista apenas nas figuras que devem constar no dinheiro angolano. O problema regista-se também nos símbolos nacionais como a bandeira. "[Esta característica] irritante dos símbolos vem de longe. Eu gostaria de chamar a questão dos símbolos nacionais nomeadamente a bandeira da República de Angola, que se confunde com os símbolos de um dado partido, que é o partido que domina a situação em Angola", explica.

"Agostinho Neto era vivo quando o seu rosto já aparecia no dinheiro. Depois foi a vez de Eduardo dos Santos que se sentiu um Deus e, mesmo vivo, associou a sua imagem ao dinheiro. Não tiverem oportunidade de tratar desse assunto por causa da mentalidade ditatorial que imperava na altura e que impera até hoje", critica Alexandre Solombe.

Ouvir o áudio 02:34

Angola: Novas notas de kwanza não vão ter rosto de José Eduardo dos Santos

Exemplo do Quénia

O Quénia usa nas suas notas imagens de animais e também de edifícios em detrimento de figuras políticas.

Alguns cidadãos angolanos defendem que a medida devia igualmente ser adotada em Angola.

Alexandre Neto Solombe nota uma falta de diálogo entre os governantes e governados no que toca ao tema da moeda nacional. "Continuamos a ter um défice de diálogo, [que a existir] proporcionaria que a sociedade se pronunciasse sobre qual seria a melhor opção, em vez de se estar a ditar uma vez mais símbolos e coreografias para a nova família da moeda que vai ser produzida proximamente", conclui.

Leia mais