Angola: Albinos querem mais apoios do Estado | Angola | DW | 13.06.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: Albinos querem mais apoios do Estado

Ainda que em Angola os albinos não sejam perseguidos ou mortos, como acontece em outros países, a sua vida tem também muitos desafios. A discriminação social e o preço dos medicamentos são os que mais os afetam.

O mundo assinala, este sábado (13.06), o Dia Internacional para a Consciencialização do Albinismo. E ainda que, em Angola, os albinos não sejam perseguidos ou mortos, como acontece em muitos países do continente africano, a sua vida tem também muitos desafios - desde o preconceito à discriminação social e pobreza, fatores que, segundo o Presidente da mesa da Assembleia Geral da Associação de Apoio dos Albinos de Angola (4AS), José Cariato, acabam por condicionar o acesso aos serviços médicos especializados. 

José Cariato defende por isso a criação de um plano nacional de saúde "concreto" dirigido a estas pessoas, para que a aquisição de protetores solares ou uma ida a uma consulta de oftalmologia não continuem a ser um problema.

Por outro lado, frisa José Cariato, existe também a necessidade da inclusão social dos albinos na sociedade. É que apesar do princípio da igualdade consagrado na Constituição, muitos albinos vivem à margem dos seus direitos. As dificuldade começam, por exemplo, no acesso à escola.

"São poucos aqueles que conseguem obter uma formação média ou superior, são poucos os que conseguem um emprego. Ao olharmos para Angola, vemos que há  poucas pessoas com albinismo nos órgãos de decisão. Já tivemos um secretário de estado para a Comunicação Social, mas no geral, a maior parte das pessoas albinas continua a passar por dificuldades".

Angola | Internationaler Tag des Albinismus | Unterstützung (DW/J. Adalberto)

Isabel Malheiro

Auto-estima

Isabel Malheiro é albina. E em entrevista à DW fala da discriminação social de que é alvo. Algo que, diz, só se ultrapassa com muita  auto-estima. "Precisamos de nos aceitar, porque se nós nos rejeitarmos, o mundo vai nos rejeitar também", afirma.

 Aos 21 anos, esta jovem conta que foi graças ao apoio de uma organização não-governamental que conseguiu recuperar a sua auto-estima.

À sociedade, a jovem pede maior tolerância com as pessoas albinas que são diferentes das demais apenas porque não possuem melanina para a coloração da pele. Já aos albinos, Isabel Malheiro apela a que se aceitem e se abram ao mundo em busca de outras experiências.

Já o apelo de Adriano Madaleno, também albino, vai para o governo. No entender deste jovem de 27 anos, têm existido muitos obstáculos para a observação de determinadas garantias constitucionais aos albinos, muitas vezes sem razão aparente.

"Têm havido, por exemplo, muitas dificuldades em permitir que uma pessoa albina frequente uma escola de condução e obtenha a carta de condução sob alegação de que os albinos não podem conduzir. Isso não é verdade porque existem pessoas não albinas também com dificuldades de visão", afirma.

Angola | Internationaler Tag des Albinismus | Unterstützung (DW/J. Adalberto)

Adriano Madaleno

Preços dos medicamentos

Outro dos problemas em Angola, acrescenta Adriano Madaleno, são os preços dos produtos de proteção de pele. Por isso, este jovem apela a que o Estado passe a subvencionar alguns produtos de higiene, tais como os cremes e protetores solares ou até mesmo consultas de oftalmologia. O mesmo jovem dá conta que "grande parte das famílias de pessoas com albinismo são de renda baixa e por isso têm dificuldades em adquirir estes produtos".

"Se o Estado providenciasse estes produtos, muitos albinos não teriam os problemas de saúde que têm hoje, como cancros da pele ou dificuldades acentuadas de visão", acrescenta.

Assim como já referido por Isabel Malheiro, também o médico José Mendes, começa por frisar que "o albino é uma pessoa como qualquer outra, tendo apenas a falta de melanina para a coloração da pele". 

Ainda assim, explica José Mendes, os albinos devem ser acompanhados por um médico desde cedo, pois há alguns cuidados que devem ter, especialmente relacionados com a proteção dos raios solares. “É importante o uso de protetores solares desde tenra idade. Para isso, os pais devem acompanharem as crianças para garantir que estas não se expõem ao sol e que se protegem".

Angola | Internationaler Tag des Albinismus | Unterstützung (DW/J. Adalberto)

José Mendes, médico

Para este especialista, é fundamental que os governos, principalmente do continente africano, façam junto das famílias um trabalho de sensibilização e informação pois há muitas famílias que não sabem como lidar com o albinismo e que acabam por tratá-lo como uma maldição.

No caso específico de Angola, acrescenta, "é necessário que haja uma abertura nos concursos públicos para os albinos, porque muitos deles são desempregados e deste modo não conseguem fazer nada. Isso dificulta ainda mais a sua condição social, já para não falar do bullying nas escolas".

O mesmo médico apela também ao governo de João Lourenço para que  crie um programa de apoio às consultas médicas para as famílias com filhos albinos e que agilize políticas de subvenção dos medicamentos, pois estes são demasiado caros para a realidade social da maioria desta famílias, explica. 

13 de junho

O Dia Mundial de Consciencialização do Albinismo foi instituído pelas Nações Unidas, em 2015, com o objetivo de divulgar informação sobre o albinismo  e para evitar a discriminação aos albinos, combatendo ao mesmo tempo a  sua perseguição. A efeméride visa igualmente celebrar  as  conquistas das pessoas com albinismo.

Assistir ao vídeo 01:39

Angola: A desmistificação do albinismo foi a palco

Leia mais