Alemanha e Espanha defendem ″distribuição justa″ de refugiados | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 11.08.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Alemanha e Espanha defendem "distribuição justa" de refugiados

O chefe de Governo espanhol e a chanceler alemã, reunidos este sábado (11.08), defenderam uma "distribuição justa" dos migrantes e refugiados e prometeram apresentar uma visão comum na próxima cimeira da União Europeia.

default

Angela Merkel e Pedro Sanchéz em conferência de imprensa

Pedro Sánchez e Angela Merkel tiveram um almoço de trabalho em Sanlúcar de Barrameda, província de Cádiz, durante o qual discutiram uma aliança estratégica para enfrentar o desafio migratório na União Europeia. "Nenhum país pode sacudir a água do capote. É um desafio para todos", disse a chanceler alemã, citada pelo jornal espanhol El Mundo.

Os dois líderes já tinham chegado a um acordo, que entra em vigor neste sábado, no qual Espanha se compromete a acolher de volta os migrantes registados no seu território, mas que conseguem entrar depois na Alemanha, através da fronteira com a Áustria.

A Alemanha tem tentado fazer acordos bilaterais para parar a migração secundária em direção ao seu território, mas ainda só o conseguiu fazer com Madrid. As negociações com os Governos de Grécia e Itália prosseguem.

Sánchez e Merkel anunciaram uma posição comum e um apoio mútuo à gestão dos fluxos migratórios, numa aliança a que juntam França e Portugal. Segundo o El Mundo, Sánchez conseguiu o apoio expresso de Merkel para a que a União Europeia reforce a ligação com Marrocos (origem da maioria dos migrantes que chegam à costa espanhola), estabelecendo acordos e oferecendo apoio económico para controlo das fronteiras.

Reforço do diálogo

Os dois países comprometeram-se a "intensificar o diálogo e a cooperação com os países de origem e de trânsito" de migrantes e refugiados, "principalmente com Marrocos", disse Sánchez, citado pela agência AFP.

"Catorze quilómetros separam a costa de Espanha -- e, consequentemente, a Europa -- do Norte de África, mas há uma distância infinitamente maior em termos de desenvolvimento", declarou o chefe do Governo espanhol. "Reduzir a profundidade desse abismo de desigualdade deve ser uma das principais tarefas da União Europeia", sustentou.

Diante da repressão das autoridades líbias e da abordagem rígida do Governo italiano à imigração, Espanha tornou-se o principal destino para as pessoas que tentam chegar à Europa.

Este foi o segundo encontro bilateral entre Sánchez e Angela Merkel, com o objetivo concertar estratégias para a cimeira europeia agendada para o próximo mês, em Salzburgo, na Áustria.

Leia mais