Zona do euro sai da recessão | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 13.11.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Zona do euro sai da recessão

Após cinco trimestres de contração, economia na zona do euro volta a registrar crescimento. PIB alemão cresce pelo segundo trimestre consecutivo.

default

Economia europeia volta a crescer

A economia da zona do euro, integrada pelos 16 países onde o euro é moeda comum, cresceu 0,4% no terceiro trimestre deste ano em relação ao trimestre anterior.

No conjunto dos 27 membros da União Europeia (UE), o crescimento foi de 0,2%, informou nesta sexta-feira (13/11) o Eurostat, departamento de estatísticas do bloco, numa primeira estimativa.

O número positivo quebra uma série de cinco trimestres consecutivos de contração. Os economistas falam de recessão quando o Produto Interno Bruto (PIB) cai em dois trimestres consecutivos.

Lituânia teve o maior crescimento na UE

A Eslováquia foi o país da zona do euro com o maior crescimento entre julho e setembro: 1,6%. Seguiram-se Portugal e Áustria, com 0,9% cada um. Em último lugar aparece o Chipre, com uma retração de 1,4%.

Entre os 27 países da União Europeia, o maior crescimento econômico no trimestre foi registrado pela Lituânia, com 6%. Já as economias do Reino Unido e da Espanha continuam em queda. O PIB britânico encolheu 0,4% e o espanhol, 0,3%.

No segundo trimestre de 2009, tanto a zona do euro como a UE estavam em recessão, com crescimentos de -0,2% e -0,3%, respectivamente. Em relação ao terceiro trimestre de 2008, o PIB caiu 4,1% nos países do euro e 4,3% em toda a UE.

Economia alemã cresce segundo trimestre consecutivo

A economia alemã cresceu pelo segundo trimestre consecutivo. Entre julho e setembro últimos, o crescimento foi de 0,7%. Porém, o chamado grupo dos "cinco sábios", formado por especialistas que assessoram o governo em Berlim, advertiu nesta sexta-feira que, mesmo que já haja sinais de recuperação da economia alemã, prosseguem os numerosos riscos para o desenvolvimento conjuntural. Segundo as estimativas dos peritos, a economia alemã crescerá 1,6% em 2010, após uma retração de 5% em 2009.

Números positivos também na França e na Itália

Outras grandes economias do bloco, como França (0,3%) e Itália (0,6%), também cresceram no terceiro trimestre. A ministra francesa das Finanças, Christine Lagarde, advertiu que, mesmo que o PIB de 2009, em seu conjunto, seja negativo, a taxa de desemprego está diminuindo. Juntas, Alemanha, França e Itália são responsáveis por quase 70% da atividade econômica na zona do euro.

Mesmo assim, especialistas advertem para o risco de um otimismo exagerado. "A pior recessão na zona do euro pode estar superada, mas infelizmente durante algum tempo muitas pessoas e empresas ainda continuarão se sentindo com se estivessem dentro de uma", disse o economista Martin van Vliet, do banco ING.

RW/dpa/reuters

Revisão: Soraia Vilela

Leia mais