Turquia ordena prisão de pregador pela morte de embaixador russo | Notícias internacionais e análises | DW | 02.04.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Turquia ordena prisão de pregador pela morte de embaixador russo

Governo turco acusa clérigo Fethullah Gülen e outras sete pessoas pelo assassinato em 2016 do diplomata Andrei Karlov. Ordem é divulgada um dia antes da visita de Vladimir Putin à Turquia.

Fethullah Gülen (picture alliance/dpa/M.Smith)

O pregador Fethullah Gülen, um ex-aliado que virou adversário do presidente Erdogan

Um tribunal turco ordenou a prisão do clérigo muçulmano Fethullah Gülen e de outras sete pessoas pelo assassinato em 2016 do embaixador russo na Turquia, informou a TV Haberturk nesta segunda-feira (02/04). O anúncio ocorre um dia antes da visita do presidente russo, Vladimir Putin, ao país.

O embaixador Andrei Karlov foi morto a tiros por um policial de folga enquanto discursava na abertura de uma exposição em Ancara em dezembro de 2016.

O atirador gritou "Allahu Akbar" (Deus é grande)  e "Não esqueçam Aleppo!" enquanto abriu fogo, aparentemente se referindo ao envolvimento da Rússia em uma campanha de bombardeios na vizinha Síria. Ele foi morto a tiros pela polícia no local.

Türkei Anschlag auf russischen Botschafter (picture alliance/dpa/O. Ozbilici)

Registro da morte do embaixador Karlov em 2016

Putin realizará uma visita de dois dias à região a partir desta terça-feira e vai se encontrar com os presidentes da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, e do Irã, Hassan Rouhani. Os três países são os garantidores das negociações de paz de Astana, que criaram zonas de "destensionamento" em toda a Síria, devastada pela guerra.

Putin e Erdogan, que se aproximaram nos últimos meses, vêm sendo isolados pelo Ocidente por causa de suas políticas – o russo por ter anexado parte da Ucrânia e pelas acusações de interferência em outros países; e o turco por conduzir um regime cada vez mais repressivo e pelo envolvimento na guerra da Síria.

No caso do embaixador, Erdogan disse que o movimento popular de Gülen estava por trás do assassinato, uma acusação que o clérigo nega. Erdogan também culpa a rede do pregador pela tentativa de golpe militar em julho de 2016.

Gülen, que vive em exílio nos Estados Unidos desde 1999, negou a acusação e condenou o golpe.

JPS/rtr

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais