Turquia inicia ofensiva militar contra curdos na Síria | Notícias internacionais e análises | DW | 09.10.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Turquia inicia ofensiva militar contra curdos na Síria

Ação ocorre poucos dias depois de os EUA deixarem a região e retirarem seu apoio às forças curdo-sírias, que vinham lutando ao lado dos americanos contra o "Estado Islâmico".

Veículo militar do Exército turco na fronteira turco-síria

Veículo militar do Exército turco na fronteira turco-síria

A Turquia deu início a uma operação militar contra combatentes curdos no nordeste da Síria nesta quarta-feira (09/10), poucos dias depois de tropas americanas terem se retirado da região. Os ataques aéreos e artilharia visam atingir posições das Unidades de Proteção do Povo (YPG) em volta da cidade na fronteira turco-síria de Ras al-Ayn.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, anunciou o início da ofensiva militar contra as milícias curdo-sírias pelo Twitter, afirmando que o objetivo era eliminar o que ele chamou de "corredor de terror" na fronteira sul do país. 

"As Forças Armadas turcas iniciaram, junto com o Exército Nacional Sírio [antigamente conhecido como Exército Livre da Síria], a Operação Primavera de Paz no norte da Síria", divulgou o chefe de Estado turco na rede social, citando o grupo rebelde sírio que é apoiado pelos turcos.

Na sua fala, Erdogan ainda fez uma equivalência entre o grupo jihadista "Estado Islâmico" (EI) e as milícias curdo-sírias das YPG, que dominam o nordeste da Síria e até a semana passada eram apoiadas pelos EUA.

"Preservaremos a integridade territorial da Síria e libertaremos as comunidades locais das garras dos terroristas", acrescentou Erdogan, em referência às YPG.

A Turquia estava pronta para atacar o nordeste da Síria desde que as tropas americanas, que estavam lutando com os curdos contra o EI, começaram a abandonar a região numa mudança abrupta de política do presidente dos EUA, Donald Trump. A retirada foi amplamente criticada em Washington como uma traição aos aliados curdos dos EUA, que vinham lutando ao lado dos americanos contra os terroristas do EI. Na segunda-feira, Trump anunciou que as tropas americanas não iriam se envolver em uma eventual ação turca na região, abrindo espaço para a invasão

Caças turcos começaram a bombardear a cidade de Ras al-Ayn, no nordeste da Síria. A emissora de televisão CNNTürk mostrou ao vivo as imagens das colunas de fumaça procedentes da cidade – localizada na fronteira com a Turquia e controlada pelas YPG – e relatou o barulho contínuo de caças sobrevoando a região.

O Exército turco começou a atacar também bases e depósitos de munições da milícia curda YPG. De acordo com testemunhas, a população está fugindo da cidade. Ancara afirmou que pretende criar uma "zona segura" para que alguns dos 3,6 milhões de refugiados sírios possam ser reconduzidos ao país.

A Turquia pretende controlar uma faixa de 32 quilômetros de largura e 480 km de comprimento adjacente à fronteira síria, do rio Eufrates até o Iraque. Esse território é atualmente dominado pelas milícias curdo-sírias das YPG, que estabeleceram um governo local que preocupa Ancara. 

A Turquia vê os combatentes curdos no nordeste da Síria como terroristas por causa de seus laços com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que travam uma insurgência em território turco. Erdogan ainda disse que pretende criar uma zona de segurança nessa faixa da Síria e alojar ali os milhões de refugiados que fugiram para Turquia durante a guerra civil. 

As potências mundiais temem que a ação possa abrir um novo capítulo na guerra da Síria e agravar a crise regional. Mais cedo, Erdogan afirmou em conversa telefônica com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, que a operação vai ajudar na paz e estabilidade síria e agradeceu pela "postura construtiva" apresentada em relação à ofensiva turca.

Antes da esperada ofensiva, a Síria afirmou que está determinada a enfrentar qualquer agressão turca usando todos os meios legítimos. Ela também afirmou estar pronta para abraçar "filhos pródigos", em uma aparente referência às autoridades curdo-sírias que controlam o nordeste do país.

Em meio a profundas preocupações humanitárias, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, pediu moderação a todas as partes na região e proteção aos civis.

FC/efe/rtr/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais