1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Viagem pelo Reno: rio dos poetasFoto: DW

Turismo sobre as águas

(pt/sv)
17 de abril de 2004

A Alemanha possui mais de sete mil quilômetros de vias fluviais. Alguns destes rios são rotas turísticas muito apreciadas, até mesmo pelos adeptos de cruzeiros marítimos.

https://www.dw.com/pt-br/turismo-sobre-as-%C3%A1guas/a-1168821

Um cruzeiro marítimo: o que para alguns significa o máximo em elegância, desperta em outros a sensação de um odor embolorado de tédio e monotonia. No entanto, aquilo que se vê do convés de um navio não é sempre símbolo de chatice.

Na Alemanha, uma alternativa aos consagrados cruzeiros em alto-mar é a opção por navegar em águas nacionais – com direito a rastrear a história e a cultura do país. Agências de viagem oferecem pacotes turísticos sobre as águas alemãs para todos os gostos, para navegar no Reno, Weser, Danúbio ou Mosela.

Rhein mit Loreley in St. Goarshausen
Loreley, St. GoarshausenFoto: Illuscope

Reno: rio dos poetas e pensadores

O Reno é, entre os rios alemães, o mais conhecido, principalmente por ter sido mencionado por uma horda imensa de escritores, sobretudo por pintores e poetas românticos, que descobriram os tesouros naturais do rio há um século e meio atrás.

Heinrich Heine, por exemplo, dedicou aos recifes da Loreley um de seus poemas mais conhecidos. Uma viagem ao longo do Reno, diga-se de passagem, é tida como uma rota extremamente romântica, apesar dos vários bancos de areia existentes pelo caminho.

Donaudurchbruch
Danúbio entre Kelheim e WeltenburgFoto: Bayern Tourismus

Atrás dos rastros romanos

Aquele que quiser realmente conhecer a história e a cultura do sul alemão, não pode deixar de conhecer o curso do Danúbio dentro do país. Como segundo rio mais caudaloso de toda a Europa, o Danúbio tem sido uma “testemunha histórica” desde os tempos em que os romanos navegavam por ali.

Uma viagem interessante pelo Danúbio passa pela histórica Regensburg, seguindo até a bela Passau, até ultrapassar a fronteira alemã em direção a Viena e depois Budapeste. No caminho, incontáveis castelos, burgos e vinhedos para o deleite dos olhos.

Bauhaus in Dessau
Antiga sede da Bauhaus em DessauFoto: AP

Natureza e cultura

Uma viagem de navio pelo Oder – o rio alemão que corre ao leste do país – é ao mesmo tempo um percurso ao longo da fronteira teuto-polonesa, com todos seus parques naturais (como o Märkische Schweiz) e os pântanos típicos da região.

Quem tem intenção de ir da alemã Magdeburg até Praga, não deve seguir de olho no relógio. A rota, ao longo do Rio Elba – a prinicipal artéria fluvial que liga o Nordeste ao Sudeste europeu, com mil quilômetros de extensão – merece tempo e atenção.

No caminho, vale uma visita a Dessau (que nos anos 20 abrigou a escola Bauhaus), a Wittenberg (cidade natal de Martinho Lutero), Meissen (famosa por suas porcelanas) e à bela Dresden, capital da Saxônia.

Galerie Bundesländer Bremen Rathaus UNESCO
Prefeitura de BremenFoto: AP

Contos de fadas no Weser

Também os personagens dos contos de fadas alemães podem ser “reconhecidos” em viagens pelos rios do país. A rota que segue o Weser leva ao norte alemão, onde se pode conhecer os saltimbancos de Bremen (Bremer Stadtmusikanten) ou o flautista de Hamelin, em Hameln.