Trump visita Reino Unido em meio a caos político | Notícias internacionais e análises | DW | 03.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Trump visita Reino Unido em meio a caos político

Agendada há meses, visita oficial visava reforçar parceria entre os dois países após o Brexit. Mas o adiamento da saída do país da UE e a renúncia da primeira-ministra May modificaram o contexto.

Elizabeth 2ª recebe Trump e Melania no Palácio de Buckingham

Agenda de Trump no Reino Unido começou com almoço oferecido pela rainha Elizabeth 2ª

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, iniciou nesta segunda-feira (03/06) sua segunda viagem oficial ao Reino Unido, em meio a várias crises políticas que afetam os governos dos dois lados do Atlântico.

Essas visitas oficiais ocorrem a convite da rainha Elizabeth 2ª, que toma a decisão após consultar o governo, e costumam ser grandes ocasiões repletas de cerimônias – como um desfile em carruagem pelas ruas de Londres e um banquete no Palácio de Buckingham – além de também serem usadas pelo governo britânico para fazer avançarem seus próprios interesses.

A situação política no Reino Unido faz com que a chegada de Trump ocorra em circunstâncias peculiares. Ao anunciar a visita em abril, a primeira-ministra britânica, Theresa May, disse se tratar de uma oportunidade para reforçar o relacionamento já próximo em áreas como o comércio, investimento, segurança e defesa, e discutir como reforçar ainda mais esses laços nos próximos anos.

A visita de três dias de duração ocorre no âmbito das comemorações do 75º aniversário do Dia D, quando as forças aliadas invadiram a Normandia ocupada na Segunda Guerra Mundial, iniciando o que se considera como o princípio do fim do domínio nazista na Europa.

Mas, desde o anúncio da visita, o impasse político em torno do Brexit se agravou com fracasso do governo de May ao tentar resolver a crise, e resultou no adiamento da saída do país da União Europeia (UE) de 29 de março para 31 de outubro. A poucos dias da chegada do ilustre visitante americano, ela acabaria anunciando que deixará o cargo dia 7 de junho, dois dias após Trump retornar a Washington.

"O significado da visita mudou desde que foi proposta e a data acertada", observa Matthew Cole, professor de história da Universidade de Birmingham. "O propósito inicial pode ter sido demonstrar apoio da maior economia do mundo ao Reino Unido após o país deixar a UE. Nada disso se materializou."

"Nesse vácuo de relevância, a imprevisibilidade do comportamento de Trump poderá se tornar muito importante – por exemplo, com quem ele manterá encontros privados? Será que se encontrará com [o líder do partido do Brexit] Nigel Farage ou [o conservador cotado para substituir May] Boris Johnson", questionou Cole.

No fim de semana, Trump, em entrevista ao tabloide britânico The Sun, manifestou apoio a Johnson como novo líder conservador e disse,que ele seria um "excelente" primeiro-ministro britânico. "Na verdade, eu estudei a coisa a sério, conheço os vários candidatos. Mas creio que Boris faria um trabalho bom. Creio que seria excelente. Gosto dele, sempre gostei dele", disse o americano, qualificando o ex-ministro do Exterior como um político "muito talentoso".

Acompanhado de sua esposa Melania, presidente dos EUA, Donald Trump, chega ao Reino Unido para visita de três dias

Acompanhado de sua esposa Melania, presidente dos EUA, Donald Trump, chega ao Reino Unido para visita de três dias

Após os protestos realizados na primeira passagem de Trump pelo país, os manifestantes prometem mobilizar novamente um grande número de pessoas no que chamaram de "atmosfera carnavalesca", inclusive com o retorno do boneco inflável gigante do "bebê Trump", que ficou bastante conhecido durante a primeira passagem do americano pelo país.

Shaista Aziz, integrante do grupo Stop Trump Coalition, diz que os protestos não são apenas em relação à presença do americano, mas cobrem uma variedade de temas como a negação à crise do clima, atribuição de culpa aos migrantes e refugiados, aumento do racismo aberto, retrocessos nos direitos das mulheres, ataques a transexuais e gays, entre outros.

A impopularidade da visita de Trump reforça a instabilidade do momento político atual nos dois lados da parceria transatlântica. Em seu país, Trump enfrenta diversas crises internas e é alvo de graves denúncias por parte oposição democrata, que o acusa de obstrução da Justiça. Questões como a disputa comercial com a China e as controversas políticas migratórias adotadas por Washington também deixam o presidente sob forte pressão.

No primeiro dia da visita oficial, Trump foi recebido pela rainha Elizabeth 2ª, pelo príncipe Charles e sua esposa, Camilla, no Palácio de Buckingham. O presidente e a primeira-dama chegaram aos jardins do palácio no helicóptero Marine One dos EUA.

Assim que o helicóptero pousou, Charles e a sua esposa se aproximaram para dar as boas-vindas a Trump e Melania. Após as honras de rigor, Elizabeth 2ª ofereceu aos convidados um almoço na residência real. Também estavam presentes a filha do presidente Ivanka Trump e seu marido, o assessor presidencial Jared Kushner.

Boneco inflável bebê Trump ficou bastante conhecido durante a primeira visita oficial de Trump ao Reino Unido

Boneco inflável "bebê Trump" ficou bastante conhecido durante a primeira visita oficial de Trump ao Reino Unido

Durante a tarde, Trump visitou a Abadia de Westminster, em Londres, acompanhado pelo duque de York, o príncipe Andrew, e deixou uma coroa de flores no túmulo do soldado desconhecido, como lembrança dos caídos nas duas Guerras Mundiais e outros conflitos bélicos mais recentes. Em seguida, o presidente tomou chá com Charles e Camilla na residência do casal real em Londres.

Elizabeth 2ª ofereceu ainda um jantar de Estado em homenagem ao presidente. Para esse banquete foram convidados membros do governo e destacadas personalidades, mas políticos como o líder da oposição trabalhista, Jeremy Corbyn, e o presidente da Câmara dos Comuns, John Bercow, rejeitaram o convite.

Na terça-feira, Trump se encontrará com May e participará de um evento com empresários americanos e britânicos. No último dia de sua visita, o presidente tomará parte na cerimônia em homenagem ao Dia D na cidade de Portsmouth.

Apesar das honras com as quais o americano é recebido em Londres, a visita possui algumas anormalidades, como o presidente da Câmara Baixa do Parlamento, John Bercow, afirmando que se opõem "com veemência" a um discurso de Trump no Parlamento britânico – algo bastante habitual – em razão e suas posições racistas e sexistas.

Logo ao chegar em solo britânico, Trump recorreu ao Twitter para criticar o prefeito de Londres, Sadiq Khan, reavivando as animosidades entre ambos. No domingo, o prefeito publicou um artigo na imprensa comparando o americano aos ditadores dos anos 1930 e 1940.

Khan, um muçulmano filho de imigrantes paquistaneses, criticou Trump pelo "uso deliberado da xenofobia, racismo e alienação como tática eleitoral" e se disse contra o tratamento pomposo que o governo britânico dedica ao americano. 

Trump rebateu, dizendo que o Khan é um "perdedor de marca maior" que fez um "trabalho horrível como prefeito de Londres", que fracassou ao combater o crime e o terrorismo na cidade. A assessoria do prefeito disse que "insultos infantis" não combinam com a postura de um presidente dos EUA.

RC/CN/dpa/afp/dw

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais