Trump indica crítico do Banco Mundial para chefiar instituição | Notícias internacionais e análises | DW | 07.02.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Trump indica crítico do Banco Mundial para chefiar instituição

David Malpass defende reforma da entidade que inclua menos empréstimos para países como a China. Americanos tradicionalmente indicam presidente do órgão, enquanto chefia do FMI fica com os europeus.

Trump anuncia indicação de David Malpass para o comando do Banco Mundial

Malpass, que foi indicado por Trump, tem histórico de críticas ao Banco Mundial

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, indicou formalmente nesta quarta-feira (06/02) o subsecretário do Departamento do Tesouro, David Malpass, como candidato à presidência do Banco Mundial.

A escolha é polêmica devido às críticas feitas pelo indicado a instituições multilaterais, inclusive o próprio Banco Mundial. Malpass argumentou que o banco, uma instituição de crédito com foco no desenvolvimento de países pobres e emergentes, preocupou-se demais com a própria expansão e muito pouco com suas missões, como o combate à pobreza.

Em depoimento ao Congresso, em 2017, Malpass declarou que instituições como o Banco Mundial e Fundo Monetário Internacional (FMI) gastam muito dinheiro, mas "não são muito eficientes". "Com frequência são corruptas em suas práticas creditícias e não chegam a beneficiar as pessoas reais nos países".

Críticos disseram que a intenção de Trump é enfraquecer a instituição e lembraram posições equivocadas do indicado no passado. Em 2007, pouco antes do início da crise financeira, Malpass escreveu no Wall Street Journal que não havia motivos para pânico porque o "mercado de empréstimos imobiliários não representava uma parcela tão grande da economia americana."

Em 2010, quando o Federal Reserve (o banco central dos EUA) estava injetando dinheiro nos mercados, Malpass assinou uma carta ao presidente da instituição, Ben Bernanke, na qual pedia o fim dessa política com o argumento de que ela geraria inflação, o que não se confirmou.

Durante o anúncio, na Casa Branca, Trump destacou que Malpass, de 62 anos, é uma pessoa "muito especial", com mais de 40 anos de experiência financeira, e afirmou que não há candidato melhor para o cargo.

Malpass deixou claro que seu foco no Banco Mundial será aprofundar a agenda do governo Trump para os países em desenvolvimento, incluindo mudanças para o Banco Mundial que ele e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, ajudaram a negociar.

Num aceno à filha e assessora do presidente, Ivanka Trump, Malpass disse que uma prioridade será elevar a participação das mulheres nas economias em desenvolvimento.

Malpass também tentou relativizar seu histórico de críticas ao Banco Mundial e ao FMI. Ele disse que, desde os tempos em que trabalhou para o governo do ex-presidente Ronald Reagan, seus esforços se voltaram para a reforma das duas instituições.

Ele destacou sua atuação no governo Trump para aprovar um incremento do capital do Banco Mundial em 13 bilhões de dólares. Esse aumento, o primeiro em oito anos, está ligado a uma série de reformas do Banco Mundial, as quais ele, na condição de presidente da instituição, quer agora levar adiante.

Elas incluem restringir os empréstimos à China a à Índia. Malpass afirmou que empréstimos a esses países tiram recursos que poderiam ir para nações mais pobres. Além disso, ele já disse em outras oportunidades que a China tem acesso suficiente aos mercados financeiros.

A escolha de Trump precisa ser aprovada pela direção executiva do Banco Mundial, que comunicou que receberá candidaturas até 14 de março. Segundo o órgão, o processo de seleção será transparente e baseado no mérito.

A presidência do Banco Mundial é ocupada interinamente pela búlgara Kristalina Georgieva, diretora-executiva da instituição, após a surpreendente renúncia do americano Jim Yong Kim em janeiro, três anos antes da conclusão de seu mandato.

Apesar de os EUA terem a maior cota de votação na instituição, a candidatura de Malpass pode ser bloqueada se os demais países se unirem, algo que é considerado improvável devido ao pacto entre americanos e europeus para dividir as chefias do Banco Mundial e do FMI.

Desde as discussões do acordo de Bretton Woods que determinaram a criação das duas organizações após o fim da Segunda Guerra Mundial, os EUA são quem indicam o presidente do Banco Mundial. Já o FMI é sempre dirigido por um nome indicado pelos países europeus.

Desde a fundação do Banco Mundial, em 1944, o presidente da instituição sempre foi um americano. Os Estados Unidos são o maior contribuinte do Banco Mundial e do FMI.

AS/efe/ap/epd/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais