Temer ganha sobrevida, mas segue encurralado | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 10.06.2017

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Temer ganha sobrevida, mas segue encurralado

Fim da longa novela jurídica no TSE marca o afastamento de apenas um dos problemas do presidente: delações e andamento de inquérito no STF sugerem que nova tempestade política pode estar próxima.

Terminado o julgamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o presidente Michel Temer não terá muito tempo para celebrar o resultado. Se tivesse ocorrido há um mês, a decisão do tribunal poderia ter marcado o início de um período de tranquilidade para o Planalto e reforçar o argumento de que o governo tem força para chegar até o fim de 2018. Mas esse cenário está descartado desde 17 de maio, quando veio à tona a delação da processadora de carnes JBS, que implicou Temer diretamente. Neste momento, o fim da longa novela jurídica contra a chapa Dilma-Temer no TSE marca o afastamento de apenas um dos problemas legais que assombram o presidente e um intervalo breve antes da próxima tempestade política. 

Depois da prisão do ex-assessor especial da Presidência Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) e da velocidade com que foi apresentada a denúncia criminal contra o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) pelos seus papéis no caso JBS, existe a expectativa de que Temer venha a ser o próximo alvo de uma ação mais dura da Procuradoria-Geral da República (PGR) nos próximos dias. No caso, a apresentação de uma denúncia formal contra o presidente - o desdobramento do inquérito criminal no Supremo Tribunal Federal (STF) que tramita contra Temer, e que também inclui Loures e apura a suspeita de prática de corrupção passiva, organização criminosa e obstrução à investigação.  

No pedido de prisão de Loures, o procurador-geral, Rodrigo Janot, já deu sinais da carga que pretende apresentar contra Temer. No documento, ele chamou o ex-deputado e ex-assessor de "homem de total confiança, verdadeiro longa manus (executor do crime planejado por outro) do presidente da República, Michel Miguel Elias Temer Lulia". Janot também reafirmou que o ex-assessor especial do presidente "aceitou e recebeu com naturalidade, em nome de Michel Temer", oferta de propina de Joesley Batista, um dos controladores da JBS. 

Com Loures na prisão desde o último sábado (03/06), os prazos entre o inquérito e a apresentação da denúncia foram encurtados por causa de uma determinação do ministro do STF Edson Fachin. Pela regra, a denúncia deve ser apresentada em até 15 dias quando um dos investigados estiver atrás das grades - neste caso, até a semana que vem. 

A PGR ainda pode solicitar uma prorrogação, mas a própria equipe do presidente já começou a trabalhar com a hipótese de que os dois próximos meses devem ser monopolizados por esse novo flanco que se abriu contra o Planalto. O mandato de Janot também acaba em setembro, e a expectativa é que o procurador-geral queira soltar tudo que tem contra o presidente até o fim desse prazo.

Nesta semana, paralelamente ao julgamento no TSE, a defesa de Temer já teve que lidar com uma lista enviada pela Polícia Federal com mais de 80 perguntas sobre o papel do presidente nos crimes envolvendo a JBS. No final, o presidente se recusou a responder ao questionário - ele não era obrigado a fazê-lo. 

Nova batalha jurídica

Caso a PGR apresente a denúncia contra Temer nos próximos dias, será o início de uma etapa com muitas semelhanças ao processo de impeachment que culminou na queda de Dilma Rousseff - com a diferença de que num caso por crime comum, e não por responsabilidade, as opções para barrar o andamento na origem são mais escassas para o atual ocupante do Planalto.  

Segundo o artigo 217 da Constituição, quando a PGR apresentar a denúncia, caberá ao ministro Fachin notificar o presidente e pedir para que ele ofereça uma resposta no prazo de 15 dias. Em seguida, o documento será encaminhado pelo STF ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Como se trata de um caso criminal, o papel de Maia será apenas burocrático. Um aliado do Planalto, Maia já vem usando seus poderes de presidente do Congresso e engavetando uma série de pedidos de impeachment contra Temer (inclusive um apresentado pela OAB). Neste caso, no entanto, Maia não poderá fazer o mesmo, e será obrigado a encaminhar o documento para análise da Comissão de Constituição de Justiça (CCJ).     

A CCJ, por sua vez, terá que submeter o documento à votação dos seus 66 membros. A comissão já é dominada por aliados de Temer, mas isso não significa uma vantagem para o presidente. Ao contrário da comissão do que ocorre em uma comissão de impeachment, independentemente de a CCJ julgar ou não a denúncia válida, ela terá que ser submetida à votação pelo Plenário da Câmara - é aqui que será travada a disputa que pode resultar no afastamento do presidente. 

São necessários os votos de dois terços dos deputados (342 votos) em votação nominal para que o processo avance e Temer se torne réu. A votação é nominal, no microfone aberto. 

Neste caso, a denúncia ainda seria remetida mais uma vez ao STF, que será responsável pelo julgamento - também ao contrário do que ocorre em um impeachment, onde o Senado assume essa tarefa. Temer então será afastado por até 180 dias até a conclusão do julgamento. Para barrar o andamento todo, o presidente precisa de 172 votos ou ausências na votação do Plenário.

Fatos novos

O Planalto exibe confiança de que o número será facilmente atingido, já que conta com uma base aliada que passa de 300 deputados. Interlocutores do Planalto já falam de uma reserva de 250 deputados - nas últimas votações de medidas provisórias no Plenário, o governo obteve entre 260 e 280 votos a seu favor.

Mas a situação de Temer nesse sentido também lembra os últimos esforços de Dilma nas semanas anteriores ao impeachment. O presidente escalou seus líderes para seduzir o "centrão" da Câmara com a oferta de cargos e emendas para deputados de partidos como o PSD e PP, tal como ocorreu com a petista, sentindo que grandes aliados como o PSDB já começam a se afastar. Também se discute a possibilidade de mudar alguma regras para que a votação seja secreta, uma forma de poupar deputados leais do constrangimento de barrar uma denúncia contra o presidente. 

No caso de Dilma, a oferta de "bondades" de nada adiantou: ela só conseguiu reunir 144 votos ou ausências a seu favor. 

Os prazos para uma votação seguem indefinidos, especialmente por causa do recesso do Judiciário e da Câmara, que vai ocorrer em meados de julho. O drama então deve se estender por no mínimo dois meses. Na teoria, o tempo pode permitir que o presidente recomponha suas forças e espere que as medidas econômicas apresentem resultados. Só que na prática, o tempo vem sendo inimigo do Planalto, já que permite o aparecimento de fatos negativos novos, capazes de trazer instabilidade na base e aumentar a tensão no governo. 

Só nesta semana decisiva no TSE foram dois: a prisão do ex-ministro Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) - um colaborador próximo de Temer - e a revelação de um episódio nebuloso envolvendo o presidente e o empréstimo de um jatinho do empresário Joesley Batista, da JBS. Este último caso envolve uma viagem ocorrida em 2011, quando Temer ainda era vice-presidente. Inicialmente, o presidente negou o episódio, mas depois voltou atrás e disse que não sabia de quem era a aeronave. 

Leia mais