TCU rejeita contas do governo Dilma | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 05.10.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

TCU rejeita contas do governo Dilma

Pelo segundo ano consecutivo, tribunal encontra irregularidades nas contas do governo, entre elas "pedaladas fiscais" e abertura de créditos suplementares, motivos que levaram ao impeachment da ex-presidente.

O Tribunal de Contas da União (TCU) rejeitou nesta quarta-feira (05/10) as contas do governo federal de 2015, sob a gestão da ex-presidente Dilma Rousseff. O parecer do relator, aprovado por unanimidade, aponta irregularidades e o descumprimento da Lei Orçamentária Anual (LOA) e afirma que a má administração influenciou a crise econômica.

Segundo o parecer, as irregularidades "tiveram como consequência a manutenção ou expansão dos gastos públicos em um cenário onde a legislação orçamentária e fiscal impunha uma maior restrição na execução dos gastos".

O relator, ministro José Múcio Monteiro, indicou 17 irregularidades, entre elas a abertura de créditos suplementares, que, segundo o parecer, "dificultaram a atuação dos órgãos de controle", e as chamadas "pedaladas fiscais" – atrasos nos repasses do governo a bancos públicos para pagar programas federais. Essas duas manobras motivaram a cassação de Dilma pelo Congresso.

Monteiro ressaltou que, ao analisar as contas do governo federal de 2015, o TCU deseja resgatar a "dignidade da questão orçamentária no país".

Fundamentos do impeachment

O advogado de Dilma, Ricardo Lodi, contestou a avaliação do tribunal e alegou que o esforço fiscal feito em 2015 não foi adequadamente considerado pelo TCU. "Não me parece que se possa admitir que houve uma reiteração daquelas irregularidades apontadas em 2014. O ano de 2015 foi muito diferente, houve o maior contingenciamento fiscal da história do Brasil e isso infelizmente não foi considerado. Mas compreendo que o ambiente político sugere que os fundamentos do impeachment dificilmente seriam revistos pelo Tribunal de Contas da União", ressaltou Lodi.

Com a decisão, o TCU recomenda ao Congresso Nacional, que dá a palavra final sobre a questão, a rejeição das contas de 2015. Esta é a segunda vez consecutiva que as contas do governo Dilma são rejeitadas. A primeira foi no ano passado, em relação aos gastos de 2014. Esta é também a terceira vez que um balanço não é aprovado pelo tribunal desde 1937, durante o governo do presidente Getúlio Vargas.

A pena prevista para o gestor que não tiver suas contas aprovadas pelo Congresso é a perda de direitos políticos e sua cassação, caso ainda esteja à frente do governo.

CN/abr/ots

Leia mais