SARKOZY ENFRENTA BAIXA POPULARIDADE | Escreva sua opinião, comentários, críticas ou sugestões | DW | 30.10.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Sua Opinião

SARKOZY ENFRENTA BAIXA POPULARIDADE

Protestos na França, União Europeia e ajuda ao desenvolvimento e os 70 anos de Pelé foram os temas comentados por nossos leitores esta semana. Confira!

default

Para o governo francês, como diz o velho ditado, "a casa caiu". Acredito que é quase impossível recuperar a popularidade novamente. Temos um exemplo aqui no Brasil, do governo Fernando Henrique (PSDB), que mexeu na aposentadoria por aqui. Agora quem está pagando o preço é o candidato José Serra, do mesmo partido, que como podemos ver, não vai conseguir ganhar as eleições para presidente aqui no Brasil. Quanto a Sarkozy, veja bem, daqui pra frente não conseguirá mais nada com o eleitor francês.
Mauricio Joffre da Silva

Acho que Sarkozy não recupera mais a popularidade de antes. Os franceses estão com a razão indo às ruas protestar contra essas reformas na lei de aposentadoria.
Marina Cavalcante

Em vez de melhorar a situação dos trabalhadores, Sarkozy pretende piorar. Ele conseguiria mais se cortasse um pouco dos salários gigantes dos membros de seu governo, isso sim seria uma medida popular.
Paulo Silva

UE QUER MAIS EFICIÊNCIA NA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

É claro e evidente a diferença existente entre ajuda humanitária e ajuda ao desenvolvimento. Aquela se assemelha mais a um tipo de esmola que cria dependência, além de instigar a continuidade do ciclo de miséria e pobreza. A última pode ser comparada ao pontapé inicial para um projeto mais abrangente. Esta sim, de fato, fomenta a solidariedade e busca a construção de uma sociedade mais justa ao exigir que as partes envolvidas assumam e cumpram suas obrigações nos esforços por um objetivo comum. Contudo, a fim de posar como supostas benfeitoras e se dizerem defensoras da filantropia, a maioria das nações opta pela rede mundial de comércio de esmolas: uma via de desperdício de recursos. O problema não reside na quantidade de doações, mas em como se destina e emprega o dinheiro. Se realmente os países ricos estão dispostos a "ajudar com consciência" as regiões mais desafortunadas do planeta, deveriam abandonar a posição egocêntrica de que realizam um bem à humanidade, assim como não usar isso para marketing político, e instituir parcerias que possibilitem aos africanos, haitianos, palestinos e todos beneficiados pelas doações se tornarem protagonistas de seu próprio destino e agentes de mudança em suas comunidades. Do contrário, as Metas do Milênio persistirão como sinônimo de promessas.
Vlademir Monteiro

PELÉ CELEBRA 70 ANOS

Na minha infância foi o meu maior ídolo, exemplo de dignidade, caráter, simplesmente um fenômeno por onde passava, todo mundo delirava e ele continua encantando até hoje. O Pelé é o deus da bola de futebol.
Luiz Alberto Gonçalves de Almeida

Pelé foi e continua sendo o maior ídolo do futebol mundial. Ao contrário de outros grandes craques, como aquele argentino metido a técnico, sua vida sempre foi um exemplo de dedicação ao esporte.
Tadeu França

Leia mais