Relatório da ONU aponta crime de guerra de Israel em Gaza | Notícias internacionais e análises | DW | 28.02.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Oriente Médio

Relatório da ONU aponta crime de guerra de Israel em Gaza

Comissão do Conselho de Direitos Humanos acusa soldados israelenses de matar e ferir civis, incluindo crianças, que não ofereciam perigo e participavam de manifestações políticas. Israel diz que relatório é mentiroso.

Uma comissão da ONU afirmou nesta quinta-feira (28/02) que a resposta de Israel aos protestos em Gaza, em 2018, pode constituir crime de guerra ou crime contra a humanidade, argumentando que franco-atiradores abriram fogo deliberadamente em civis, incluindo crianças, que não ofereciam perigo.

"Os soldados israelenses cometeram violações do direito internacional humanitário e dos direitos humanos. Algumas dessas violações podem constituir crimes de guerra ou crimes contra a humanidade e devem ser imediatamente investigadas por Israel", disse o presidente da comissão, o argentino Santiago Canton.

Ele afirmou que a alta comissária de Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet, deveria entregar o relatório ao Tribunal Penal Internacional (TPI), em Haia. Israel não é um membro do tribunal nem reconhece sua jurisdição, mas a corte abriu uma investigação preliminar sobre denúncias de desrespeito aos direitos humanos por parte de Israel em território palestino em 2015.

Israel rejeitou o relatório e o considerou hostil, mentiroso e parcial. "O único objetivo é manchar a única democracia do Oriente Médio e minar o seu direito de se defender das ações terroristas de um grupo assassino", o Hamas, que controla a Faixa de Gaza, disse o ministro do Exterior, Israel Katz.

Já as autoridades palestinas saudaram o relatório e disseram que é o momento de o Tribunal Penal Internacional (TPI) abrir investigações. "É hora de responsabilizar Israel por esses crimes", declarou o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, acrescentando que Israel não pode seguir atuando como "um Estado acima da lei".

A comissão da ONU afirmou que mais de 6 mil manifestantes desarmados foram baleados por atiradores militares de elite nas manifestações, ao longo de várias semanas, e 189 pessoas foram mortas, das quais 35 crianças. Os investigadores afirmaram que foram "encontrados motivos razoáveis para acreditar que atiradores de elite israelenses atiraram em jornalistas, agentes de saúde, crianças e pessoas com deficiências, sabendo que eram claramente reconhecíveis como tais".

Os investigadores da ONU afirmaram que os manifestantes cometeram atos de violência, como atirar pedras, coquetéis molotov e explosivos contra soldados israelenses, mas que "as manifestações eram de natureza civil, com objetivos políticos claramente definidos" e que, "apesar de alguns atos de violência, a comissão considerou que as manifestações não se constituíam de combate ou campanhas militares".

Os investigadores também disseram que têm informações confidenciais sobre os possíveis responsáveis pelas mortes, incluindo snipers e comandantes militares, e defendeu que eles sejam levados a julgamento pelo Estado de Israel.

A comissão foi criada em maio de 2018 pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU para investigar supostas violações e maus-tratos no contexto de ataques militares durante os grandes protestos civis que começaram em 30 de março de 2018 em Gaza.

A partir daquela data, dezenas de milhares de palestinos na Faixa de Gaza reuniram-se semanalmente perto da fronteira israelense para reivindicar o arrefecimento de um bloqueio ao território e o "direito" de retornar às terras de seus ancestrais, em Israel.

Israel argumenta que os protestos foram orquestrados pelo Hamas, o movimento islâmico que comanda a Faixa de Gaza e contra o qual travou três guerras desde 2008.

A comissão afirmou que nenhum soldado israelense foi morto durante os protestos e que quatro ficaram feridos.

O relatório foi baseado em 325 entrevistas com vítimas, testemunhas, autoridades e membros da sociedade civil de todos os lados, além de 8 mil documentos, afirmou a comissão. Ela disse que ouviu 15 fontes do lado de Israel, incluindo organizações não governamentais, mas que não obteve cooperação do governo do país.

Israel frequentemente acusa o Conselho de Direitos Humanos da ONU de ter um viés anti-Israel. Os Estados Unidos deixaram o conselho em 2018, em parte sob o mesmo argumento.

AS/lusa/rtr/ap

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais