Prisão de ″homem da mala″ aumenta pressão sobre Temer | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 03.06.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Prisão de "homem da mala" aumenta pressão sobre Temer

Detenção do ex-assessor especial Rodrigo Rocha Loures deve acelerar apresentação de denúncia criminal contra presidente pela Procuradoria-Geral da República

A prisão do ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) na manhã deste sábado (3/6) abriu mais uma frente contra o presidente Michel Temer e trouxe mais uma série de dificuldades políticas e jurídicas para o governo. O novo fato negativo ocorre quando o Planalto se prepara para uma semana decisiva, que vai contar com julgamento da ação contra a chapa Dilma-Temer pela Justiça eleitoral e a reunião de uma ala do PSDB que pode decidir por um desembarque do governo.

O episódio também deve acelerar a apresentação pela Procuradoria-Geral da República (PGR) de uma denúncia criminal contra o próprio presidente.

A detenção de Rocha Loures - ex-assessor especial de Temer que foi apelidado de "homem da mala" pela imprensa após ter sido filmado carregando 500 mil reais entregues por um emissário da empresa JBS - era encarada como uma questão de tempo. Suplente de deputado, Rocha Loures havia deixado sua posição de confiança no Planalto em fevereiro para assumir na Câmara a vaga de Osmar Serraglio (PMDB-PR), quando este assumiu o Ministério da Justiça.

Esta semana, o ex-assessor se viu sem mandato - e sem foro privilegiado - quando Serraglio resolveu reassumir sua antiga vaga na Câmara após ter sido desprezado por Temer numa troca de cadeiras entre ministros. Sem a blindagem, um novo pedido de prisão contra Rocha Loures apresentado pela PGR acabou sendo aceito pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), já que não havia mais a necessidade do flagrante exigido no caso da prisão de deputados em exercício do mandato.

O ex-deputado acabou então tendo o mesmo destino de outros figuras que não tinham ou que perderam o foro, como Andrea Neves, irmã do senador afastado Aécio Neves, e Eduardo Cunha.

Consequências

Com Loures atrás das grades, aumentou a expectativa de que o ex-assessor resolva fazer uma delação premiada que pode implicar Temer, seu ex-chefe. O advogado de Rocha Loures, Cezar Bitencourt, afirmou que seu cliente não pretende colaborar com a Justiça, mas também admitiu que a prisão deve servir como forma de pressão para que ele faça uma delação.

Brasilien Rodrigo Rocha Loures - Abgeordneter (Wikipedia/R. Theodorovy)

O ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, o "homem da mala"

Uma eventual delação, no entanto, a exemplo do que ocorreu com outros políticos presos, deve demandar meses de negociações e depoimentos. O efeito prático mais imediato deve ser o de acelerar uma eventual denúncia contra o presidente Temer. Isso porque o ex-deputado é alvo do mesmo inquérito que investiga o presidente Temer por suspeita de prática de corrupção passiva, organização criminosa e obstrução à investigação. Com Rocha Loures na prisão, o prazo para a conclusão das investigações vai ser encurtado.

O ministro Edson Fachin já determinou que a partir do momento de uma prisão, as investigações têm que ser encerradas em até 10 dias. Depois disso, a PGR tem mais cinco dias para apresentar denúncia contra os alvos do inquérito. Foi o que ocorreu no caso de Andrea Neves. Ela foi presa no dia 18 de maio. Na sexta-feira, duas semanas depois da detenção, a PGR apresentou denúncia contra ela e seu irmão, Aécio.

Sem algum alvo do inquérito na prisão, o prazo para a conclusão das investigações seria mais longo, podendo chegar a 30 dias. Com Rocha Loures atrás das grades, vai valer o prazo mais curto, de quinze dias no total. As investigações contra Temer já vêm avançando rapidamente. Nesta semana, o presidente foi intimado a responder um questionário que ainda deve ser elaborado pela Polícia Federal.

A PGR também já deu sinais de que deve apresentar denúncia contra o presidente. No novo pedido de prisão de Rocha Loures, o procurador-geral, Rodrigo Janot, chamou o ex-deputado e ex-assessor de "homem de total confiança, verdadeiro longa manus (executor do crime planejado por outro) do presidente da República, Michel Miguel Elias Temer Lulia". Janot também reafirmou que o ex-assessor especial do presidente "aceitou e recebeu com naturalidade, em nome de Michel Temer" oferta de propina de Joesley Batista, um dos controladores da JBS.

Na sexta-feira, a denúncia apresentada pela PGR contra o senador afastado Aécio Neves também implicou Temer. Janot sugeriu que a recente troca do titular do ministério da Justiça está relacionada à pressão exercida pelo tucano, que desejava um novo ministro que fizesse mudanças no comando da Polícia Federal. "Conforme se depreende da dinâmica de diversas ligações, fica claro o interesse de Aécio na designação de um delegado específico para seus inquéritos", escreveu Janot na denúncia, sugerindo ainda que Temer atendeu Aécio.

Cenário pós-denúncia

Se a PGR apresentar a denúncia por crime comum contra Temer, caberá ao ministro Fachin notificar o presidente e pedir para que ele ofereça uma resposta no prazo de 15 dias. Se o STF aceitar então a denúncia, o caso deve seguir para a Câmara. Ao contrário de um pedido impeachment, que trata de crimes de responsabilidade, a denúncia não pode ser engavetada pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que já vem ignorando a apresentação de uma série de pedidos que pedem a destituição do presidente.

No caso da denúncia criminal pela PGR, Maia será obrigado a submeter o caso ao plenário da Câmara. São necessários os votos de dois terços dos deputados (342 votos) para que o processo avance e Temer se torne réu e seja afastado temporariamente do poder. Neste caso, a denúncia ainda seria remetida mais uma vez ao STF, que será responsável pelo julgamento - ao contrário do que ocorre em um impeachment, onde o Senado assume essa tarefa. Neste caso, Temer poderá se tornar réu e ser afastado por até 180 dias até a conclusão do julgamento.

O Planalto não se manifestou neste sábado sobre a prisão de Rocha Loures. Segundo o jornal O Estado de S.Paulo, após a imprensa noticiar a detenção do seu ex-assessor, Temer fez uma viagem não planejada para São Paulo para se reunir com seus advogados.

 

Leia mais