Principal grupo jihadista do Egito jura lealdade ao ″Estado Islâmico″ | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 12.11.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Principal grupo jihadista do Egito jura lealdade ao "Estado Islâmico"

Ansar Beit al-Maqdis, milícia terrorista estabelecida na península do Sinai, anuncia união com o EI. Com isso, aumenta o perigo de novos atentados no país, onde a ideologia extremista parece estar ganhando força.

default

Fronteira entre Egito e Israel, no Sinai

O principal grupo jihadista egípcio Ansar Beit al-Maqdis, ativo na península do Sinai, acaba de submeter-se ao "Estado Islâmico" (EI). Na noite do último domingo (09/11), o Ansar Beit al-Maqdis divulgou que jurou lealdade ao EI e a seu líder, Abu Bakr al-Baghdadi. No mesmo comunicado, o grupo também pediu a todos os muçulmanos que fizessem o mesmo, afirmando que "a democracia dos infiéis" não lhes traz benefício algum.

A aliança do grupo egípcio com o EI já era esperada. Há um bom tempo, a união era anunciada por rumores, os quais eram, porém, negados pelo Ansar Beit al-Maqdis, que significa "partidários de Jerusalém". Os jihadistas afirmavam ter objetivos próprios e se limitar ao território egípcio.

O anúncio da aliança veio num momento em que o grupo extremista aparentava ter se recuperado dos duros golpes efetuados pelo Exército egípcio nos últimos meses. Ainda em meados deste ano, devido à pressão militar, milícias do Ansar Beit al-Maqdis tiveram que fugir de regiões remotas do Sinai.

Entretanto, o grupo não se deu por vencido: continuou realizando ataques pequenos, mas altamente eficazes, contra os militares, usando principalmente armadilhas explosivas. Segundo informações não confirmadas, centenas de soldados foram mortos.

O último ataque ocorreu em 24 de outubro, no norte da península do Sinai, e matou ao menos 30 soldados e membros das forças de segurança egípcias. O grupo jihadista ganhou notoriedade com o assassinato de civis e vídeos mostrando decapitações.

Bombenanschalg in Kairo 21.9.2014

Policiais no local de um atentado no Cairo, realizado em 21 de setembro deste ano

Radicalização na prisão

Supõe-se que poucos egípcios simpatizem com o EI. Porém, seguidores do presidente islamista deposto em junho de 2013, Mohamed Mursi, parecem estar passando por um processo de radicalização.

No início de novembro, o portal de notícias Al-Monitor publicou trechos de uma entrevista com um ex-integrante da Irmandade Muçulmana. O jovem, atualmente na prisão, disse que agora apoia o "Estado Islâmico".

Por um bom tempo, ele acreditou no poder do engajamento pacífico, disse. Até que, na metade de agosto do ano passado, ele foi preso durante uma manifestação pró-Mursi, e as experiências desde então o levaram a apoiar o EI. "A injustiça e o fato de eu estar preso sob o pretexto de ser um terrorista, apesar de não ter feito nada, me levaram ao desespero. Essas experiências são mais fortes do que a minha fé na paz."

Até agora, a Irmandade Muçulmana havia mantido distância do "Estado Islâmico". Ela persegue objetivos diferentes, mais moderados. Não clama por uma "Guerra Santa", nem atinge suas metas por meio da violência.

Mas o jornal egípcio Al Masry al-Yawn publicou na edição desta segunda-feira que alguns membros da Irmandade Muçulmana se veem como aliados do Ansar Beit al-Maqdis. O grupo, por sua vez, inclui membros que se consideram o "braço militar" da Irmandade. Já outros integrantes acusam a Irmandade Muçulmana de não aplicar as "leis de Alá".

O fato de milhares de membros da Irmandade Muçulmana estarem detidos sem terem sido julgados pode facilitar a radicalização. Quantos são exatamente, é desconhecido. A Anistia Internacional, citando diversas fontes, fala de até 40 mil prisioneiros.

Mesmo que nem todos pertençam à Irmandade Muçulmana, se apenas uma fração desses prisioneiros se radicalizasse, já seria um número considerável de seguidores dos jihadistas. As condições nos presídios favorecem a radicalização. "Relatos de tortura e desaparecimentos em prisões da polícia e dos militares são comuns", publicou a Anistia.

Sobretudo os jovens apoiam o EI, diz o cientista político Kamal Habib. "Eles acreditam que agora não seja o momento para paz", afirma. Tal discurso também foi adotado por outros jovens islamistas egípcios entrevistados pelo Al-Monitor.

Um deles declarou que pretendia viajar à Síria e se juntar ao EI. Em seguida, os planos seriam voltar ao Egito e difundir a ideologia do grupo extremista no país natal. "Atualmente, a sociedade islâmica do Egito está no chão", disse o jovem ao Al-Monitor. "O 'Estado Islâmico' vai reerguê-los e aterrorizar os inimigos de Deus", afirmou.

"Combater até o Juízo Final"

Na luta contra o terrorismo, o Egito se concentra no uso de suas forças militares. Resoluto, o Estado tenta impedir que a ideologia jihadista se propague e conta com o apoio do principal jurista egípcio, Shawki Allam. Em meados de outubro, ele deu um parecer contra o terrorismo jihadista. Quem comete atos terroristas, "merece a ira de Deus sobre a Terra e no fim de seus dias", declarou.

Se os terroristas vão se deixar impressionar por tais palavras e medidas, é de se duvidar. "Nos encontramos numa guerra sem fim e vamos combater o Exército até o Dia do Juízo Final", escreveu, no último domingo, o grupo Ansar Beit al-Maqdis em sua conta no Twitter.


Leia mais