Presidente turco Erdogan diz estar decepcionado com Merkel | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 04.06.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Presidente turco Erdogan diz estar decepcionado com Merkel

Resolução parlamentar sobre genocídio de armênios na Primeira Guerra melindra Erdogan: líder alemã deveria ter controlado o voto do próprio partido. Protestos antigermânicos em Istambul. Premiê turco se mantém moderado.

Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, em Mogadíscio

Recep Tayyip Erdogan: "consequências sérias" para Alemanha após votação sobre genocídio armênio

Dois dias após a resolução do Parlamento alemão definindo como genocídio o massacre de centenas de milhares de armênios pelo Império Otomano em 1915, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, declarou-se decepcionado com a Alemanha e, em especial, com a chanceler federal Angela Merkel.

Em entrevista divulgada neste sábado (04/06) por diversos meios de comunicação da Turquia, o chefe de Estado disse não entender como a também presidente da União Democrata Cristã (CDU) não conseguiu fazer que seu partido votasse contra a resolução.

Erdogan acrescentou que a chefe de governo alemã lhe prometera fazer tudo em seu poder para evitar a aprovação. "Agora eu me pergunto: como é que os políticos alemães de ponta vão poder encarar pessoalmente a mim e ao meu premiê, depois de uma resolução dessas?"

Segundo o jornal turco Daily Sabah, Erdogan afirmou haver na Alemanha, também em parte da mídia, grupos hostis e envolvidos numa conspiração contra a Turquia. O plano da resolução sobre o genocídio armênio também teria partido de "cabeças mais acima", na visão do político conservador turco.

Mentira imperialista: manifestantes, na maioria nacionalistas, protestam diante do consulado alemão em Istambul

"Mentira imperialista": manifestantes, na maioria nacionalistas, protestam diante do consulado alemão em Istambul

Tema explosivo, 100 anos depois

Mesmo depois de mais de um século, as expulsões e massacres de armênios pelos otomanos durante a Primeira Guerra Mundial são um tema extremamente sensível para a política de Ancara, já tendo originado atritos com diversas personalidades do Ocidente, inclusive o papa Francisco e o presidente alemão, Joachim Gauck.

Fontes armênias falam de até 1,5 milhão de mortos, enquanto os turcos admitem cerca de 800 mil e rejeitam incondicionalmente a classificação como genocídio.

Em seguida ao anúncio da decisão quase unânime do Bundestag (câmara baixa do Parlamento alemão), Ancara reagiu com indignação, retirando seu embaixador de Berlim. Diante do consulado-geral da Alemanha em Istambul realizaram-se protestos contra a "mentira imperialista" do genocídio. Em faixas, os manifestantes, na maioria nacionalistas, acusaram os alemães de "fascistas".

O ministro do Exterior Mevlüt Cavusoglu acusou a Alemanha de querer desviar a atenção dos "aspectos sombrios da própria história", através da "infundada" resolução parlamentar. Erdogan não se manifestou imediatamente, apenas prometendo "consequências sérias" para as relações entre Ancara e Berlim.

Em tom moderado, o primeiro-ministro da Turquia, Binali Yildirim, por sua vez, reafirmara na sexta-feira a importância da parceria entre os dois países, e que "esta ou outras resoluções semelhantes" não seriam motivo para que "súbito as relações piorem totalmente".

AV/afp/dpa

Leia mais