1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Foto: picture-alliance/dpa/J. Lübke

Presidente da Volkswagen pede desculpas por fraude

22 de setembro de 2015

Em vídeo institucional, Martin Winterkorn afirma que escândalo "contradiz tudo o que a montadora defende". Empresa vendeu 11 milhões de carros a diesel com software que adultera dados sobre emissões de poluentes.

https://p.dw.com/p/1GamF

Num vídeo institucional divulgado nesta terça-feira (22/09), o presidente da Volkswagen, Martin Winterkorn, pediu desculpas pelo escândalo de fraude nos testes de emissões de gases poluentes em carros a diesel vendidos nos Estados Unidos.

Winterkorn enfatizou que o episódio "contradiz tudo o que a Volkswagen defende". "Peço desculpas formais aos nossos clientes, às autoridades e ao público em geral por esse desvio de conduta", afirmou na gravação divulgada no site da empresa.

O presidente da montadora alemã garantiu que o caso será amplamente investigado, com rapidez e transparência.

O caso gerou especulações sobre uma possível saída de Winterkorn do cargo. Ele, no entanto, não tocou no assunto. O executivo ressaltou que seria um erro "se grandes falhas de poucas pessoas fossem vistas como um motivo para colocar o trabalho honesto de 600 mil pessoas sob suspeita".

O presidente do conselho de funcionários da Volkswagen, Bernd Osterloh, disse que fará "todo o possível para garantir que o assunto seja esclarecido rapidamente" e que haja consequências para os responsáveis.

Nesta terça-feira, foi revelado que 11 milhões de carros a diesel vendidos no mundo pela VW estão equipados com o software que manipula dados sobre emissões de poluentes. Após a divulgação, as ações da empresa caíram quase 20% na Bolsa de Valores de Frankfurt.

A Volkswagen é acusada de instalar um software que maquia em até 40% as emissões em modelos a diesel vendidos nos EUA e ter enganado a Agência de Proteção Ambiental americana (EPA). A montadora já admitiu a manipulação, que pode lhe render multas de até 18 bilhões de dólares, além dos custos com recalls e consertos.

KG/dpa/afp

Pular a seção Mais sobre este assunto