Premiê britânica anuncia eleições antecipadas | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 18.04.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Premiê britânica anuncia eleições antecipadas

Theresa May afirma ter decidido convocar eleições gerais no Reino Unido no dia 8 de junho. Líder alega que união política é necessária para negociar termos do Brexit com a União Europeia.

Theresa May

May aparece como favorita dos eleitores em pesquisas de opinião

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, anunciou nesta terça-feira (18/04) que planeja convocar eleições gerais antecipadas no país, a serem realizadas no próximo dia 8 de junho.

"Precisamos de eleições gerais, e precisamos delas agora [...] antes que comecem as conversas detalhadas", disse a premiê, referindo-se a negociações com a União Europeia sobre o Brexit – saída do Reino Unido do bloco. Ela anunciou que o pleito é necessário para assegurar "a liderança forte e estável de que o país precisa".

Leia mais: O árduo caminho do Reino Unido rumo ao Brexit

Segundo a primeira-ministra, desde que os britânicos votaram pelo Brexit em referendo em junho passado, a população se uniu, mas os políticos, não. Ela afirmou que os partidos de oposição podem influenciar negativamente as negociações sobre os termos do divórcio do bloco europeu.

"Uma divisão em Westminster colocará em risco a capacidade do Reino Unido de fazer do Brexit um sucesso", disse.

O Partido Conservador de May aparece bem à frente do Partido Trabalhista em pesquisas de opinião. Dos eleitores, 50% afirmam que May seria a melhor primeira-ministra, contra 14% a favor de Jeremy Corbyn, líder trabalhista. Uma vitória fortaleceria a premiê antes das negociações com a UE.

May, que foi nomeada primeira-ministra após o país decidir pelo Brexit, afirmou que pedirá nesta quarta-feira à Câmara dos Comuns que apoie o pleito antecipado. De acordo com a legislação britânica, a primeira-ministra pode convocar uma eleição se dois terços dos parlamentares votarem a favor.

O líder do Partido Trabalhista, a principal legenda da oposição, já afirmou que apoiaria a convocação. As próximas eleições gerais deveriam ser realizadas somente em 2020.

LPF/rtr/ap/dpa

Leia mais