Parlamento da Turquia aprova ações militares na Síria | Notícias internacionais e análises | DW | 04.10.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Parlamento da Turquia aprova ações militares na Síria

Turquia inicia ataques contra o país vizinho, matando vários soldados, depois de tiros de morteiro vindos da Síria terem causado a morte de civis turcos numa localidade perto da fronteira.

A Turquia voltou a atacar alvos na Síria nesta quinta-feira (04/10), um dia após vários tiros de morteiro atingirem a localidade turca de Akçakale, situada em frente do posto fronteiriço sírio de Tel Abyad. O local foi palco recente de combates entre as tropas leais presidente sírio, Bashar al-Assad, e os rebeldes do Exército Sírio Livre.

Em resposta ao ataque sírio, o governo turco bombardeou alvos militares na Síria, pediu uma reunião extraordinária da Otan e anunciou para esta quinta um pedido de autorização ao Parlamento turco para realizar operações militares na Síria. O pedido foi autorizado logo em seguida pelo Parlamento.

Os ataques da Turquia resultaram em vários soldados sírios mortos, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, grupo oposicionista baseado em Londres. O ataque turco ocorreu em resposta a um ataque com morteiros vindo da Síria e que causou a morte de cinco civis turcos.

"A Turquia não tem interesse numa guerra com a Síria. Mas somos capazes de defender nossas fronteiras e vamos retaliar quando for necessário", disse Ibrahim Kalin, um conselheiro do primeiro-ministro Tayyip Erdogan. "Iniciativas políticas e diplomáticas vão continuar", afirmou.

A Rússia, tradicional aliada da Síria, disse que o governo em Damasco assegurou que ataque foi um acidente e que ações semelhantes não voltarão a acontecer.

Este é o pior incidente fronteiriço desde o início do levante popular na Síria, há 18 meses.

Ankara Türkei Parlament Abdullah Gul Präsident

Parlamento turco aprova ações militares no país vizinho

Reunião de emergência

O parlamento turco reuniu-se nesta quinta em caráter de urgência para autorizar formalmente as Forças Armandas a conduzir operações em território sírio. Segundo a agência de notícias Anadolu, o pedido foi aprovado.

Os deputados turcos debaterem um texto proposto pelo governo islâmico-conservador que estipula que, se necessário, o executivo poderá ordenar operações armadas na Síria. A justificativa é que "as atividades hostis visando o território turco estão a ponto de se tornarem um ataque militar e por isso podem ameaçar a segurança nacional". A autorização parlamentar é válida por um ano.

A Constituição turca prevê que qualquer operação militar externa seja previamente autorizada pelos parlamentares.

Carta à ONU

A Turquia também levou o incidente ao Conselho de Segurança da ONU, qualificando-o de "ato de agressão". Em carta do embaixador turco na ONU, Ertugul Apakan, dirigida ao secretário-geral Ban Ki-moon e ao embaixador da Guatemala, Gert Rosenthal (cujo país preside ao Conselho de Segurança em outubro), o governo em Ancara qualifica o incidente de "ato de agressão da Síria contra a Turquia".

RO/rtr/afp/lusa
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais