Opinião: Presidente alemão acerta ao discursar sobre Dresden | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 14.02.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Opinião

Opinião: Presidente alemão acerta ao discursar sobre Dresden

Ao lembrar 75 anos do bombardeio da cidade alemã, Steinmeier fez discurso surpreendentemente atual, abordando antissemitismo e xenofobia e mostrando ser um claro defensor da democracia, opina Jens Thurau.

De óculos e cabelos brancos, presidente Frank-Walter Steinmeier (d.) aparece com a Friedenskirche (Igreja da Paz) de Dresden ao fundo

Steinmeier em Dresden: "Temos que enfrentar quem falsifica fatos históricos"

Qualquer discurso sobre o aniversário do terrível bombardeio de Dresden na noite do dia 13 para o dia 14 de fevereiro de 1945 é um ato na corda-bamba. A tempestade de fogo que atingiu a cidade da Saxônia, às margens do rio Elba, foi repetidamente instrumentalizada pelos mais diversos grupos: primeiro pelos nazistas, ainda nos últimos meses da guerra, depois pelo governo da antiga Alemanha Oriental, e atualmente por neonazistas e por aqueles que permanecem presos no passado.

Na maioria das vezes, isso acabava culminando numa disputa absurda pelo número de mortos – que os nazistas, por exemplo, estimavam em centenas de milhares. Ainda assim, depois da Reunificação alemã, as discussões sobre a noite do bombardeio se concentravam sobretudo na questão de a tragédia dever ser lembrada isoladamente ou se apenas sua contextualização histórica pode realmente fazer jus às vítimas. 

Quando escreveu seu discurso, portanto, Frank-Walter Steinmeier sabia do escrutínio ao qual suas palavras seriam submetidas. E o presidente alemão não conseguiu apenas contextualizar o ocorrido – ele pronunciou um discurso surpreendentemente atual, que fala abertamente sobre as origens da guerra e a destruição que se seguiu.

Por isso, a palavra Dresden só apareceu depois que ele leu três longos parágrafos iniciais. Steinmeier começou com a invasão alemã da Polônia e da violência que em seguida assolou a Europa.

Em nenhum momento, porém, o chefe de Estado da Alemanha relativizou o sofrimento dos cidadãos de Dresden. Pelo contrário: pintou um quadro visceral daquela noite, falou do barulho estrondoso dos aviões, do céu vermelho, do fogo que sugou todo o oxigênio das ruas da cidade. Mas ele também mencionou outras cidades, tanto na Alemanha quanto em outros locais da Europa: Hamburgo, Würzburg, Nápoles, Belgrado, Varsóvia e Coventry.

E ele fechou esse trecho do discurso com a clara frase: "Quem hoje ainda tenta equiparar os mortos de Dresden aos mortos em Auschwitz, quem tenta minimizar as injustiças da Alemanha, quem falsifica fatos históricos apesar de conhecer a verdade – são essas pessoas que nós, como democratas, temos que enfrentar."

"Nós, como democratas." Steinmeier sabe que há novamente negacionistas dos crimes nazistas nos parlamentos alemães e ele se distanciou claramente deles. Trata-se de uma nova interpretação do papel do presidente alemão, que, historicamente, sempre teve o dever de ser apartidário, resumindo e mediando todas as opiniões da população. Mas não neste momento.

Steinmeier foi até mais além, falando de antissemitismo e xenofobia na atualidade. E acrescenta: "Quando legisladores traem e ridicularizam os parlamentos em que atuam, isso é uma tentativa de destruir a democracia a partir de seu interior." Os populistas de direita nas assembleias legislativas estaduais e no Bundestag (Parlamento alemão) podem vestir a carapuça.

Sim, isso tudo cabe num discurso em memória aos 75 anos da tempestade de fogo contra Dresden. E, de forma consciente, a fala acabou com a resposta a todos os que vivem no passado. O presidente fez o que seu cargo exige, além de toda a parcela simbólica.

Ele lembrou aquilo que deve unir todos os alemães: a Lei Fundamental, ou seja, a Constituição de um Estado democrático. "Vamos proteger a dignidade de cada ser humano, também – e especialmente – aqui em Dresden." De cada ser humano, e não apenas de cada alemão.

Steinmeier deverá conseguir viver com críticas de setores direitistas, não é a primeira vez que lida com isso. Mas é bom saber que o presidente alemão se enxerga como um defensor da democracia, e de forma mais nítida do que nunca. Uma democracia que não é composta apenas por leis, regulamentos e regras parlamentares, mas se define mais por entendimentos, posturas claras, por responsabilidade histórica.

A grande maioria dos alemães ainda compartilha da visão de Steinmeier. É bom que ele levante sua voz por esse amplo grupo.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais